História do Circuito de Kyalami

17/08/2010

Fala galera estamos hoje continuando a falar dos circuitos que fazem falta na F1 e também daqueles que foram mutilados, em alguns casos não conseguimos muitas fotos de como esta o traçado antigo, isso aconteceu com o Circuito da Argentina e com o circuito de hoje, mas vale o post para vermos como era o circuito.

Kyalami (minha casa em Zulu) é um autódromo localizado a norte de Johannesburg na África do Sul.
Inaugurado em 1961, recebeu entre 1967 e 1993, com interrupções, o GP da África do Sul de Fórmula 1. Na edição de 1977 houve um acidente bizarro, sem dúvida o mais bizarro da história da F1. O piloto Renzo Zorzi parou seu carro ao lado da pista com problemas mecânicos, os quais resultaram num pequeno princípio de incêndio. Fiscais de prova atravessaram a pista para apagarem o pequeno incêndio, a fim de evitarem maiores danos. O piloto da Shadow, Tom Pryce, atropelou um dos fiscais que atravessava a pista, despedaçando-o. Pryce foi atingindo na cabeça pelo extintor de incêndio carregado pelo então fiscal. O impacto foi tão forte que o extintor atingiu piloto arrancando seu capacete e o matando instantaneamente. O carro de Pryce seguiu desgovernadamente até atingir um muro do autódromo violentamente. O fiscal de prova morto só foi reconhecido após a direção de prova convocar todos os fiscais de pista daquela corrida e ver quem estava faltando (justamente o fiscal morto, que tinha apenas 19 anos na ocasião).

Apenas um país africano foi palco de grandes competições internacionais do desporto motorizado ao mais alto nível: a República da África do Sul, cujo primeiro circuito permanente foi o de Kyalami, nos arredores de Joanesburgo. Tem um traçado espectacular devido ao seu desnível.



Situado no distrito de Midrand, a meio caminho entre Joanesburgo e Pretória, que distam 50 quilómetros uma da outra.
O circuito está situado num planalto, a 1700 metros de altitude, o que faz com que os motores debitem aproximadamente menos 10% de potência que ao nível do mar, pois uma menor pressão atmosférica é sinónimo de menor caudal de ar.



Assim o afirma Davide Bridio, que lidou de bem perto com esse problema na Yamaha: «Aqui pode-se perder até 15% de potência devido à altitude, e há pilotos que me dizem: "Podes dizer-me o que quiseres, mas este motor não puxa!"»


Kyalami significa "minha casa" e foi inaugurado em Dezembro de 1961.


Sofreu uma remodelação maior em 1987 e outra menor em 1991, anos em que não perfilou no Mundial de Fórmula 1.



O circuito de Kyalami foi criado por um grupo de entusiastas e, aquando da sua inauguração, tinha uma longa recta que descia até à primeira curva. Esta espectacular e temida descida desapareceu em 1987.
Pertence, desde Julho de 1993 à Automobile Association, que tem nele a sua sede.


Dispõe de uma instalações pequenas, mas suficientes. Os grandes camiões e motorhomes que se utilizam actualmente na Europa não caberiam no paddock, mas as equipas que por lá passaram conformavam-se com a utilização de quartos adjacentes às garagens. Por cima deles encontra-se a sala de imprensa, os escritórios da organização e uma pequena sala de exibição.


Foi sede do Grande Prémio de Fórmula 1 da África do Sul - sucedendo a East London - entre 1967 a 1985, ano esse de 1985 que marcou uma interrupção prematura da realização do Grande Prémio da África do Sul. O mexicano Pedro Rodriguez ao volante de um Cooper-Maserati foi o vencedor da primeira passagem da Fórmula 1 por Kyalami em 1967.


A Fórmula 1 regressaria a Kyalami em 1992, uma vez que estava iniciada a reforma política que acabou com o regime do apartheid e levantadas as sanções que por este motivo pesavam sobre o país, Kyalami voltou a ser sede do Grande Prémio. Contudo, em 1993, os motores dos carros de Fórmula 1 fizeram-se, provavelmente, ouvir pela última vez em Kyalami, com o francês Alain Prost a levar de vencida a última corrida disputada até ao momento pela Fórmula 1 em solo Africano, a bordo do seu Williams-Renault.



Foi em Kyalami, em 1983, que Nelson Piquet alcançou o seu segundo título na Fórmula 1, depois da vitória de Riccardo Patrese, da Brahbam BMW.



Desde o epilogo da Fórmula 1 em Kyalami, apenas as Superbikes - de 1998 até 2002 - e do campeonato do Mundo de Motociclismo - até 1999, altura em que o Grande Prémio da África do Sul de motociclismo se mudou para Pakhisa -. Outros campeonatos vão passando por Kyalami, no entanto, nenhum da envergadura das Superbikes, "MotoGP" e Fórmula 1.


O traçado é muito técnico e requer uma excelente afinação da “máquina”, dificultada por várias mudanças de aderência do asfalto pelo desnível importante que se reflecte na nomenclatura; assim, o troço que se segue à curva Wesbank chamase Mine Shaft ("poço da mina"), devido à sua imponente descida. Na recta da meta também existem várias mudanças de inclinação: no princípio sobe, nivela a meio e depois torna a descer.

O ex-piloto de Superbike Juan Borja chegou a dar mesmo as suas sensações acerca do circuito: "Quando vais a subir a todo o gás, é difícil saber onde deves cortar a aceleração, porque a seguir vem a descida."

Agora algumas poucas fotos que consegui mdo circuito.







Agora dois videos, o primeiro no traçado de 1992 e o segundo de 1979. 

Posts Relacionados

0 comentários :