História do Circuito de Suzuka

27/09/2010

O Circuito de Suzuka que recebe o Grande Prêmio do Japão de Formula 1 e o de GP2 é um dos mais antigos e famosos do Japão. Está situado à cidade de Suzuka.

Desenhado no ano 1962 por John Hugenholz como circuito de provas da marca Honda, Suzuka é um circuito especial, já que é um dos poucos do mundo que tem forma de 8. Naturalmente, a pista não tem uma interseção, sendo assim a uma parte da pista que passa acima da outra por um acesso elevado. Como consequência desta configuração única, Suzuka é uma magnífica prova para as qualidades dos pilotos e é um dos circuitos mais difíceis do mundo. Por isto, este circuito é estimado tanto pelos pilotos como pelos espectadores.


Suzuka é um dos circuitos mais antigos que há no campeonato mundial de F1, e por isto tem uma longa história de corridas emocionantes. O papel tradicional que joga este circuito japonês como penúltimo ou último Grande Prêmio da temporada fez que muitos campeonatos fossem decididos ali em Suzuka.

A segurança foi uma preocupação para os circuitos 130R, com uma curva de 130 metros à saída para o acesso elevado, que neste circuito acabou com dois acidentes terríveis em 2002 e em 2003. No ano 2002, o piloto de Toyota Allan McNish bateu em grande velocidade contra uma proteção metálica da pista, felizmente o piloto não teve graves consequências.

Os diretores da pista eliminaram a curva, que se comparava com a curva da Eau Rouge de Spa ops quer dizer com a Raidilion (já explicamos este fato aqui anteriormente), e a substituíram por uma dupla secção, uma com um radio de 85 metros, e a seguir uma segunda com um radio de 340 metros, que traz em seguida a uma xicane (Triangle Casio), que se converte numa "parada de ónibus" para as motos.


Mesmo assim, o problema continuou. Durante o primeiro grande realizado no circuito depois destas remodelações, o Grande Prêmio do Japão de MotoGP de 2003, o piloto Daijiro Kato morreu ao chocar-se na nova secção, que trazia para o Triangle Casio. As corridas de Moto GP não voltaram a Suzuka desde este acidente.

Outro grande acontecimento do circuito são as 8 horas de Suzuka de motociclismo, que se ocorrem desde 1978. Este acontecimento atrai os grandes nomes do motociclismo.
A NASCAR organizou um várias de carreiras de exhibicição na parte oriental do circuito, uma configuração da pista de 2,25 quilómetros que usa a reta de boxes, e retorna ao traçado da F1 na Triangle Casio. Os carros participantes foram da Winston Cup e a Winston West Serias e a competição foi por convite para duas corridas, que se ocorreram depois das temporadas 1996 e 1997. A corrida de 1996 da NASCAR teve apenas o aquecimento, pois, o piloto do  pace car, Elmo Langley, morreu de um ataque de coração dentro o Chevrolet Corvette que ele conduzia. Em 1997, a chuva obrigou a marca Goodyear a proporcionar pneus de chuva pela primeira vez na NASCAR.

O circuito de Suzuka apareceu em vários games como Pole Position II, Final Lap, Grande Turismo 4 ou Racing Evolution.

O circuito tem uma extensão de 5.807 m. de pista e no grande prêmio automobilístico fazem-se um total de 53 voltas (307,573 km. ao todo).

Na saída da rápida curva 130R, que antecede a chicane próxima à entrada dos boxes. Quem não alivia o acelerador naquele ponto consegue entrar no retão colado no carro da frente, o que é essencial para tentar uma ultrapassagem.

Suzuka tornou-se uma velha conhecida dos brasileiros já no fim dos anos oitenta. Estreando em 1987, a pista foi palco do terceiro título de Nelson Piquet, com uma Williams. No ano seguinte, uma apresentação épica deu a Ayrton Senna seu primeiro Mundial, a bordo de uma McLaren. Em 1990 e 1991, também de McLaren, Senna conquistaria outros dois campeonatos, estabelecendo uma relação de amor com os japoneses que perdura até hoje. Com um currículo repleto de decisões, além das protagonizadas pelos brasileiros, a pista longa e veloz possui um asfalto liso e de boa aderência, um prato cheio para os pilotos que sabem combinar desafios com velocidade. Nos últimos anos, tem revezado com Fuji o direito de receber o GP do Japão.

Posts Relacionados

1 comentários :

Renan do Couto disse...

Suzuka é das pistas que reconheço a dificuldade e admiro a história, mas não gosto tanto. Sei lá, não foi feita pra mim.

Parabéns pelo blog, o conteúdo é muito bom e trabalhado!