James Hunt, considerado o maior playboy da categoria, tem seu passado revelado em biografia lançada na Inglaterra e escrita por Tom Rubython.

Considerado o maior playboy da história da Fórmula 1, o inglês James Hunt continua a despertar polêmica mesmo 17 anos após sua morte. O escritor inglês Tom Rubython lançou neste mês a biografia "Shunt" (Batida, em português), que traz bastidores da carreira do campeão da temporada 1976. Entre as revelações, o autor revela que o piloto levou 33 aeromoças para uma orgia de duas semanas antes do GP do Japão, corrida que lhe deu o título da categoria.

O livro revela detalhes do encontro. Segundo o autor, Hunt encontrou as aeromoças da British Airways no aeroporto e as convidou para uma festa. Elas aceitaram de prontidão, junto com seu amigo Barry Sheene, campeão na motovelocidade e foram para o quarto no hotel Hilton de Tóquio. A orgia foi embalada a álcool, maconha e cocaína até a véspera da prova, que seria disputada em Monte Fuji.

No domingo, o show de Hunt continuou. Antes de entrar no carro, ele abriu o macacão e simplesmente urinou ao ar livre, em frente às arquibancadas. O público japonês assistiu à cena impassível e aplaudiu o inglês, que retribuiu com um aceno. Antes da corrida, Patrick Head, sócio da Williams, encontrou o piloto com o macacão abaixado junto com uma garota japonesa nos boxes da McLaren. Após isso, foi vomitar, para cumprir seu ritual pré-corrida.

O inglês James Hunt gostava muito das mulheres, bebia e fumava regularmente

A corrida foi disputada sob forte chuva. Hunt chegou em terceiro e contou com a desistência de Niki Lauda, que se recusou a correr sob aquelas condições. Ainda se recuperando do acidente que quase o matou em Nürburgring, o austríaco entrou na pista, deu duas voltas e parou. A festa do inglês no voo de 12 horas para a Inglaterra, fretado por Bernie Ecclestone, foi boa: ele chegou bêbado ao aeroporto de Londres e saudou os 2 mil fãs que o esperavam no saguão.

As histórias também incluíam o casamento de Hunt. O inglês se arrependeu de ter casado com Suzy Miller e fez da lua de mel uma despedida de solteiro. A relação só piorou depois disso, até a esposa conhecer o o ator inglês Richard Burton, envolto em uma conturbada relação com Liz Taylor. Eles tiverma um caso e o astro pediu para que o piloto agilizasse o divórcio. Como contrapartida, James Hunt recebeu uma "ajuda de custo" de US$ 1 milhão.

Hunt nasceu em 1947, filho de um corretor em Belmont, perto de Londres. Ele morreu na capital inglesa em junho de 1993, vítima de um ataque cardíaco. Depois que encerrou sua carreira em 1979, ele ainda foi comentarista das corridas de F-1 na BBC, ao lado de Murray Walker. Em sua vida, o inglês teve relacionamentos com mais de cinco mil mulheres.

Posts Relacionados

9 comentários :

Michel disse...

Velho bom pra caramba o post

Michel do(ÉnoisnaWeb)

Tulipa Ura disse...

Cool, esse cara ae é féra..!!

Stamp Malhas disse...

ta certo eh ele...

Anônimo disse...

na fórmula 1 de hoje tá faltando uns pilotos badboys como esse cara, o último que teve era o Montoya.

Emerson Belem disse...

Mais do que certo ele, tem grana, come geral mesmo. \o\

Visite também!
http://velhosedentario.blogspot.com

. disse...

Olá, meu nome é Marcos, administrador do blog www.quatrorodascar.blogspot.com . Parabéns pela postagem.

Aceita parceria ?

marcos.sup.adsl@gmail.com

Abraços da Equipe !

william haddad disse...

charles sheen foi fan dele.

Anônimo disse...

Herói, mito... Hoje só temos pilotos sem graça.

Anônimo disse...

O sonho de todos os homens.