Os Capacetes mais Belos da F1

19/10/2010

Nosso amigo Wagner Gomes sugeriu esta matéria para o post do leitor, como não deu tempo ontem de publicarmos vamos colocar ela com um dia de atraso, Wagner nos enviou uma matéria publicada pelo portal Terra com os 20 mais belos capacetes da F1, ele acredita que o único que ficou de fora desta lista foi Nelson Piquet, vamos a lista.

Com cores e formas chamativas, os capacetes marcam a identidade de pilotos na Fórmula 1 - caso do inconfundível amarelo de Ayrton Senna.

Alessandro Nanini, italiano, correu entre 1986 e 1990 por Minardi e Benetton; piloto apostava em combinação de cores frias

Christian Fittipaldi correu entre 1992 e 1994 na categoria, por equipes como Minardi e Footwork (foto); brasileiro também apostou na combinação do amarelo com o verde.

David Coulthard, escocês, piloto por Williams, McLaren e Red Bull entre 1994 e 2008; em seu capacete, apostou na "aplicação" de uma bandeira de seu país.
Fã de Ayrton Senna, Eddie Irvine utilizava um capacete semelhante ao do brasileiro em sua passagem por equipes como Jordan e Ferrari, alterando apenas suas cores para as da Irlanda; posteriormente, na Jaguar, mudou de pintura

A família Fittipaldi sempre mostrou capacetes bonitos, e Emerson não poderia ser diferente; o bicampeão ficou famoso por seu talento, e sua peça em vermelho e preto entrou para a história.

Eterno companheiro de Ayrton Senna na McLaren, Gerhard Berger adotava um capacete todo preto, mas com um detalhe nas laterais remetendo às cores de seu país, a Áustria.

Com passagem por diversas equipes entre 1994 e 2009, o hoje piloto de testes da Ferrari Giancarlo Fisichella sempre teve um dos capacetes mais bonitos do grid; na Jordan, o italiano adotava um modelo de fundo branco com detalhes em diversas cores.

Gilles Villeneuve foi outro que consagrou seu capacete, mesmo sem ter sido campeão; em suas passagens por McLaren e Ferrari, o canadense apostou em cores contrastantes e formas geométricas.

Jacques Villeneuve, filho de Gilles, conquistou em 1997 o título que seu pai deixou escapar em 1979; em sua passagem pela categoria, o desbocado canadense usou uma peça colorida e cheia de curvas para se proteger nas corridas.

Jarno Trulli correu com alguns modelos de capacetes na categoria, mas o de sua passagem pela Toyota se destacou: vermelho brilhante, com detalhes em prata; hoje na Lotus, o italiano usa um modelo parecido, tamanho o sucesso.

Jenson Button sempre levou as cores de seu país em seu capacete; porém, em 2009, adotou as cores da Brawn GP no desenho estilizado da bandeira britânica.

Correndo por March (posteriormente Leyton House) e Jordan, Maurício Gugelmin não conseguiu resultados dos mais expressivos em cinco anos de F1; mesmo assim, deixou uma boa impressão com seu capacete, todo em cores quentes.

Na contramão de Gugelmin, Mika Salo desfilava com seu capacete em tons frios de azul - mas vindo da fria Finlândia, nada mais justo!

Mais uma bem-sucedida aposta na estilização da bandeira do país - desta vez, do britânico Nigel Mansell, destaque por Lotus, Williams, Ferrari e McLaren.

Niki Lauda ficou marcado por seus três títulos e pelo acidente que o desfigurou; mesmo assim, não deixou de registrar na história seu belo capacete - mais um remetendo à bandeira austríaca.

Riccardo Patrese é o segundo piloto com maior número de GPs na história da F1; e em suas 256 largadas, apresentou um belo modelo com listras escuras sobre um fundo claro.

Bastante semelhante ao de Bellof, o capacete do belga Thierry Boutsen se valia da combinação de preto com cores quentes, presentes também na bandeira de seu país.

Stefan Bellof morreu jovem e com poucos resultados de expressão; mesmo assim, o alemão teve tempo de apresentar seu modelo nas cores do país na década de 80.

Eddie Cheever correu na F1 entre 1978 e 1989, afastando-se apenas em 1979; americano corria também com as cores de seu país, estilizando uma estrela nas laterais.

Posts Relacionados

2 comentários :

joaoleopires disse...

Belíssima reportagem, realmente muitos capacetes lindos!!!!

Edno Luiz disse...

Bom, por brincadeira, quero fazer uma lista também... Não sou tão antigo assim, mas adoro automobilismo, então, vou tentar.

1- Jenson Button (2012)
2- Nigel Mansell (1992)
3- Felipe Massa (2008)
4- Heinz Harald Frentzen (2001)
5- Juan Pablo Montoya (2003)
6- Jean Alesi (homenagem a Helio de Angelis)
7- Kimi Haikkonen (2008)
8- Ayrton Senna (1991)
9- Robert Kubica (2008)
10- Ralf Schumacher (2002)