O dia mais negro da Fórmula 1 foi há 17 anos

01/05/2011

Qualificar a morte de Ayrton Senna, no fatídico dia 1 de Maio de 1994, durante o G. P. de San Marino, como o dia mais negro da Fórmula 1, poderá parecer um exagero jornalístico, fruto, à altura, do enorme sentimento de perda e de grande consternação que atingiu todos os apaixonados do desporto, em geral e do automobilismo desportivo, em particular. Passados dezassete anos e olhando para esta manchete do AutoSport, temos a firme certeza de que, para além do correto uso das palavras, este título também teve sinais de premonição.

Com a morte de Ayrton Senna, perdeu-se muito mais do que o melhor piloto do Mundo. O desporto automóvel despediu-se de uma das suas figuras mais carismáticas, de um homem extremamente sensível, inteligente, de enorme poder analítico e que sempre serviu como um valioso instrumento de contra poder. Ao morrer deixou um caminho quase sem obstáculos para todos aqueles que não servem o automobilismo desportivo, mas que tem a veleidade de pensar que se podem servir dele.
No dia 1° de Maio morreu um homem virtuoso, que sabia olhar à sua volta, que não pactuava com injustiças e que nunca, mas mesmo nunca, se alheou do seu semelhante. Morreu, também, um piloto de excepção e nada melhor do que as palavras que, um dia, alguém escreveu sobre Ayrton Senna, para o retratar, no seu mister, de forma fidedigna: "Deus compunha música pela pena de Mozart e guiava um Fórmula 1 pelas mãos de Senna."
Tudo acabou às 14 horas e 10 minutos daquele fatídico dia, na curva Tamburello do Circuito Enzo e Dino Ferrari, em Imola, tal como o AutoSport relatava , na altura: "Durante cinco voltas, o então líder da corrida tinha rodado atrás do safety-car, que entrou em pista para permitir que os destroços deixados pelo acidente à partida, entre o carro de Pedro Lamy e o de JJ Letho, fossem convenientemente limpos. Na partida lançada, Senna arrancou melhor do que Schumacher e durante a primeira volta tentou cimentar um avanço suficiente para, desde logo, deixar, bem claro que a vitória neste Grande Prémio ia pertencer a ele, colocando um ponto final nos problemas sentidos nas duas primeiras corridas da temporada. O destino assim não quis! De repente, à entrada da Tamburello, zona onde os Fórmula 1 rodam a cerca de 300 km/h, o Williams seguiu em frente não deixando qualquer hipótese de correção ao piloto. Magic Senna perdeu a última batalha."
A violência do embate não deixou muita margem para dúvidas. Os comissários de pista receberam ordens imediatas para não tocar no piloto e, muito pouco tempo depois, o Professor Syd Watkins, o "médico" da Fórmula 1, já estava no local. Os especialistas tudo fizeram para tentar dar a Ayrton Senna uma réstea de esperança, mas o estado de saúde do piloto brasileiro era gravíssimo. Para além de outras lesões, um tirante do braço da suspensão dianteira direita do Williams tinha perfurado o capacete do piloto, junto à moldura em borracha da viseira, penetrando-lhe no cérebro, através do globo ocular. Ayrton tinha sofrido fractura do baixo crâneo e perda de massa encefálica.


Consternados, os repórteres do AutoSport, continuavam o relato: "Os danos eram impossíveis de recuperar, apesar de existirem sinais cardíacos. Vinte e cinco minutos depois o piloto foi transportado de helicóptero para o Hospital Maggiore de Bolonha. No circuito colegas de trabalho choravam pelos cantos e muitos fãs de Ayrton rezavam, prostrados no chão, invocando o auxílio divino. Passadas quase quatro horas, às 18h e 10m uma responsável do hospital italiano deu a notícia que ninguém queria ouvir. Morte clínica, apesar de, seguindo os quesitos da lei italiana, o piloto continuar ligado a uma máquina de sustentação artificial da vida, enquanto existirem sinais cerebrais e, pelo menos, durante seis horas. Afinal, tudo terminaria, 30 minutos mais tarde." Um fim-de-semana que ninguém esquecerá e no qual, para além do grande Campeão, perdeu, também, a vida Roland Ratzenberger.

Muito se escreveu sobre o acidente que vitimou Ayrton Senna e, como sempre acontece nestas situações, a análise objetiva esteve quase sempre arredada de todos os considerandos. Para os mais sensacionalistas o acidente de Ayrton Senna foi mais uma peça do libelo acusatório contra o desporto automóvel. Outros houve, com mais responsabilidades na matéria, que se desdobraram em explicações sobre a dinâmica do acidente, que mais pareciam subprodutos de uma mau filme, servido por um péssimo argumento.

Ayrton Senna morreu a fazer aquilo que mais gostava: tripular um automóvel de corrida. Que continue a descansar em paz, o Grande Campeão!

Posts Relacionados

5 comentários :

Anônimo disse...

Esse não é um texto isento de paixão. Sugiro que quando postar um texto pessoal, informe como sendo uma análise passional. So falta querer beatificar o moço. Foi um grande piloto, quem sabe o maior até hoje, mas de santo não tinha nada.
Um forte abraço.

Anônimo disse...

Ô amigo ai de cima, não tem nada de importante pra falar, então não fica quieto!

Anônimo disse...

Concordo com o "amigo aí de cima do amigo de cima", de santo não tinha nada mesmo (procura a entrevista da ex mulher dele, na época em q ele corrina na Inglaterra, assiste só até qdo ela disse pra ele q "talvez" estivesse grávida.
Além disso... houve MUITOS outros finais de semanas bem mais negros q esse, dado q o número de vítimas foi maior, e a vida do Senna, apesar de ter sido o melhor piloto q já existiu, não vale mais do q a de qualquer um.

luc disse...

Basta morrer para virar santo!
O cara era o maior BBK. Mais sujo nas pistas do que Prost e Schumacher juntos. Como pessoa era extremamente arrogante e para ele os fins justificavam os meios. O bom mocismo era puro marketing assim como sua namoradas que eram usadas para disfarçar a situação que todos conheciam e que o grande Piquet evidenciou. Não teve coragem nem para se assumir BIBA.
E tenho dito!

Anônimo disse...

não doi seu olho ler um texto em branco com o fundo preto?

parecia interessante mas não consegui ler até o final