Retorno de Campeão

20/05/2011

Depois de uma tentativa frustrada de retorno pela Ferrari, após o grave acidente de Felipe Massa no treino classificatório para o GP da Hungria de 2009, Michael Schumacher voltou a F1 e na minha opinião passa vergonha.

Em 60 anos de história, porém, tivemos vários exemplos de pilotos importantes que voltaram da aposentadoria ou de outras categorias para assumir um cockpit na Fórmula-1. Confira abaixo um apanhado geral com os principais nomes:

José Froilán Gonzales
O argentino José Froilán Gonzales, vice-campeão mundial em 1954 e que escreveu seu nome na história ao levar a Ferrari à primeira vitória na categoria, pode ser apontado como o primeiro piloto de importância a reaparecer na F-1.

José Froilán González, GP da Argentina de 1960


Após ter disputado o Campeonato de forma completa até 1954, ele fez aparições isoladas, até 1957. Afastado durante três anos da categoria, “El Cabezón” reapareceu com a Ferrari no Grande Prêmio da Argentina de 1960 e acabou em décimo.

Mike Hailwood

O inglês Mike Hailwood estreou na Fórmula-1 em 1963, quando ainda lutava pelo terceiro título mundial na motovelocidade. Depois de alternar as disputas em duas e quatro rodas até 1965, resolveu se dedicar exclusivamente às motos, onde conquistou dez títulos mundiais.

Mike Hailwood, GP da Alemanha de 1974


Sua volta à categoria se deu em 1971, na equipe do ex-campeão das 500cc John Surtees. Retirou-se em definitivo da categoria em 1974, depois de fraturar as duas pernas em um acidente com a McLaren no circuito de Nürburgring, na Alemanha.

Dan Gurney

O americano Dan Gurney esteve na Fórmula-1 entre 1959 e 1969. Foi o autor da primeira vitória das escuderias Porsche e Brabham, ambas no Grande Prêmio da França, respectivamente em 1962 e 1964.


Dan Gurney, GP da Holanda de 1970


Em 1966 ele construiu seu próprio carro, o belíssimo “Eagle AAR”, e teve uma grande gloriosa, em junho de 1967, quando venceu o Grande Prêmio da Bélgica e, sete dias depois, as 24 Horas de Le Mans.

Após um ano de ausência, Gurney voltou à Fórmula-1 em razão do falecimento de seu amigo Bruce McLaren. Contudo, correu apenas três provas e obteve um sexto lugar como melhor resultado.

Mario Andretti

Mario Andretti, GP da Itália de 1982
Primeiro campeão com um carro de efeito solo, Mario Andretti decidiu se retirar da Fórmula-1 em 1981. Voltou no GP de Long Beach do ano seguinte para substituir o argentino Carlos Reutemann na Williams.

Ainda na mesma temporada, realizou os Grandes Prêmios de Las Vegas e o da Itália pela Ferrari. No templo de Monza, Andretti fez bonito ao conquistar a pole e a terceira posição na corrida.

Niki Lauda


Niki Lauda, GP da Suíça de 1982

Niki Lauda deixou a Fórmula-1 em 1978, após ser campeão mundial pela Ferrari em 1975 e 1977. Depois de quatro anos de aposentadoria, retornou em 1982 pela McLaren, onde ganhou o terceiro mundial de sua carreira, em 1984.

O austríaco deixou a categoria definitivamente no final da temporada de 1985.

Alan Jones


Alan Jones, GP da Itália de 1985


Alan Jones, segundo piloto australiano a ser campeão mundial, deixou a categoria em 1981.

No entanto, ele voltou para a Fórmula-1 em duas ocasiões: na primeira, pela Arrows, substituiu o brasileiro Chico Serra no Grande Prêmio de Long Beach de 1983. Posteriormente, reapareceu com o projeto Lola-Beatrice, em 1985.

Nigel Mansell

Nigel Mansell, GP da França de 1994


O inglês Nigel Mansell competiu entre 1981 e 1992, levando o título no último ano, pela Williams. Depois de alguns desentendimentos com os diretores da equipe em sua renovação de contrato, resolveu encarar o desafio da Fórmula Indy, onde foi campeão já no ano seguinte.

Por conta da morte de Ayrton Senna, retornou à Fórmula-1, em 1994, pela própria Williams. Bastante criticado, o inglês obteve uma única vitória, na Austrália, e se retirou em 1995, com duas provas disputadas pela McLaren.

Alain Prost


Alain Prost, GP de Portugal de 1993


O penúltimo grande retorno foi de Alain Prost. Após deixar a Ferrari em 1991 e ter conseguido três Mundiais pela McLaren (1985, 1986 e 1989), o francês tirou um ano sabático em 1992.

Na temporada seguinte, o professor acabou voltando para a Williams e conseguiu seu quarto título. Em seguida, deixou de vez a categoria.

Jacques Villeneuve

Jacques Villeneuve, pela Sauber, em 2005


Campeão do Mundo em 1997, com a Williams, o canadense Jacques Villeneuve viveu sua primeira fase na F-1 entre 1996 e o Grande Prêmio do Japão de 2003.

Afastado desde então, retornou pelas mãos de Flavio Briatore, na Renault, que o chamou para substituir o desafeto Jarno Trulli nas últimas corridas de 2004.

Depois, ele completou mais duas temporadas, pela Sauber e pela então estreante BMW-Sauber, mas nunca retornou ao pódio.

fonte: blogsportf1

Posts Relacionados

0 comentários :