As Lágrimas de Maio

01/06/2011

Este mês, lembramos do grande Ayrton Senna, em virtude dos 15 anos de sua morte. Mas não foi apenas o tricampeão que perdeu sua vida num dos 31 dias desse mês onde reinvindicamos melhores condições de trabalho, homenageamos as mães e recordamos a abolição da escravatura.
Na verdade, Maio é o mês mais triste da Fórmula 1: além de Senna, Alberto Ascari, Lorenzo Bandini e Gilles Villeneuve nos deixaram no 5º mês do ano. Bandini faleceria somente no dia 10, mas sofreu seu acidente justamente hoje, dia 7, há exatos 42 anos. E Gilles, o mais famoso dos três (ainda que somente Ascari tenha sido campeão), perdeu sua vida no dia 8 de maio, há 27 anos. Portanto, hoje é um dia propício para homenagear a ambos. *Ascari perdeu a vida no dia 26, portanto tornaremos a falar dele dentro de duas semanas.
Villeneuve (pai do campeão mundial de 1997) foi um piloto que pode ser dito "espetacular": já chamei-o no blog de "Garrincha da F-1" justamente por conta do show que o canadense dava, das coisas impossíveis que fazia, como andar com três rodas, sem asa dianteira, etc. Além disso, era de uma rapidez incrível, e realizou algumas das mais belas ultrapassagens - e disputas - da história.
Foram ao todo 6 vitórias obtidas pelo vice campeão mundial de 1979, algumas das mais importantes da F-1: o GP da Espanha de 1981, por exemplo, é lembrada como uma das corridas mais disputadas: a diferença entre o primeiro e o quinto colocado na linha chegada foi de apenas 1,5 segundo...
Porém, essa rapidez não via limites (haja vista o exemplo de suas loucuras nas corridas), e uma disputa feroz com seu companheiro de equipe, Didier Pironi, levou Gilles Villeneuve a uma obstinação cega (?) que culminou no acidente que resultou em sua morte.
Nos treinos para o Grande Prêmio da Bélgica de 1982, Villeneuve vinha em volta rápida, e acaba acertando sua roda dianteira na traseira de Jochen Mass: o Ferrari de Gilles realiza uma verdadeira decolagem e, graças à péssima segurança da época, o canadense é arremessado pra fora do carro, chocando-se contra o muro.
O video a seguir é raro e mostra uma reportagem da TV Italiana no dia do acidente.
Lorenzo Bandini é um piloto que não obteve um sucesso semelhante a qualquer um três "pilotos de maio", e sua carreira, muito breve (disputou apenas 42 corridas ou meras 4 temporadas completas), não obteve números maiores que uma pole e uma vitória. Mas isso não diminui a adoração e o carinho que os italianos têm por ele - especialmente porque Bandini correu a grande maioria de seus GPs pela Ferrari -, tanto é que anualmente acontece uma premiação que leva o seu nome.
Sua melhor temporada, em termos de número, foi 1964: ano em que obteve sua única vitória, classificou-se em quarto no campeonato. Mas infelizmente ficou marcado pelo acidente com Graham Hill na última corrida: Bandini chocou-se com Hill, e com isso o campeão acabou sendo seu companheiro de equipe, John Surtees.
Bandini acabou se tornando a grande esperança italiana em 1967, quando assumiu a "vaga" de primeiro piloto, após duas fracas temporadas da Scuderia.
O primeiro GP de Lorenzo naquele ano foi em Mônaco. Marcou o segundo melhor tempo nos treinos, mas conseguiu assumir a ponta logo no início, e assim seguiu por longas, longas voltas.
Algumas curvas depois da saída do túnel, Bandini perde o controle do carro e bate contra a proteção de feno (!). O carro explode em chamas, e o socorro nada pode fazer. Lorenzo ainda sobreviveria por mais três dias.
Muitos acreditam que o piloto tenha sucumbido à exaustão de pilotar por mais de cem voltas aliada ao calor excessivo que fazia no dia.
Segue tocante vídeo sobe o final de semana trágico. É em italiano, mas creio que vocês conseguirão captar a mensagem.

Posts Relacionados

0 comentários :