CARACCIOLA - Parte 3

28/06/2011

Uma vez chegaram até ao seu quarto alguns amigos e animaram CHARLY para que os acompanhasse a esquiar um pouco. «Vai com eles».- Disse RUDY - «Precisa de fazer exercício e tomar um pouco de ar, passaste tempo de mais a tratar deste inválido. Por um dia só que fique sózinho não vai acontecer nada.CHARLY, mais tarde descerei à gare para te esperar».

CARACCIOLA assim o fez mas, mas sua esposa não apareceu. Regressou um pouco preocupado ao seu chalet e sentou-se à espera. Passaram as horas. As estrelas fizeram a sua aparição no obscuro firmamento e uma pálida lua no seu quarto minguante iluminou um pouco as brancas montanhas.


Chegou o último comboio daquele dia , quase às 10 da noite. Desde a janela, CARACCIOLA pode ver uma figura humana que subia dificilmente até ao chalet. Inicialmente pensou que fosse CHARLY, mas depois reparou que era um homem, um dos guias de CHARLY, que quase sempre acompanhavam os esquiadores nas suas excursões. CARACCIOLA pressentiu imediatamente que qualquer coisa tinha acontecido e sentiu um estremecimento de pânico, lançando-se rápidamente para a porta. A voz do piloto não era muito firme quando convidou aquele homem a entrar.


-È o Sr. CARACCIOLA?


-Sim.sim.


- Aconteceu um acidente, senhor, uma avalanche de neve, sua esposa...


- Oh! Não...


- A avalanche caíu directamente sobre ela, nada se pode fazer, sua esposa está...e não pode continuar.

- Morta - findou o piloto.


O homem concordou, e permaneceu uns instantes em silêncio, mas quando viu que CARACCIOLA começava a soluçar , abandonou o quarto rápidamente. CHIRON apareceu ali no primeiro comboio que pode tomar ao saber da triste notícia. O seu amigo estava deitado em plena escuridão. Negava-se a comer, a sair e a ver alguém. Durante dias CHIRON esteve com ele tentando fazer o impossível para que CARACCIOLA voltasse a sentir vontade de viver. Não houve nenhuma espécie de funerais. O corpo de sua esposa CHARLY nunca mais se pode encontrar.



CHIRON era o amigo mais intimo que tinha e provávelmente o único. Os seus idiomas eram totalmente diferentes,nada tinham em comum. às vezes conversavamnuma mistura de francês e alemão ou mimicamente. Havia qualquer coisa entre aqueles dois homens que talvez as palavras pudessem ter estragado: a compreensão absoluta daquilo que cada um deles sentia.


Esta compreensão mútua consolou muito CARACCIOLA durante aqueles terríveis dias.Depois CHIRON viu-se obrigado a ausentar-se , mas umas semanas mais tarde estava de volta mais uma vez.


- Bonjour , RUDY - exclamou, ao ver seu amigo. O tom de vozde CHIRON era festivo.- Gostarias de dar uma volta de honra ao circuito de Monte-Carlo antes de começar o GP? Quiseram escrever-te para te propor, mas eu disse: não faz mal, rapazes, eu próprio irei vê-lo e o trarei comigo.


- Preferia não o fazer - disse CARACCIOLA. Quase que não se tinha mexido do quarto desde a morte de CHARLY. CHIRON começou a dar voltas em redor da sala, abrindo com alegre gesto os estores e falando sem parar. CARACCIOLA não o ouvia naqueles momentos. Repentinamente CHIRON agarrou-o por ambos os ombros.

- Tens que sair deste buraco! Gritou-lhe. - Tiveste azar, RUDY, sei-o, mas a vida não acabou por isso. Ela foi-se embora agora e tu ir-te-ás amanhâ , e se houvesse alguma justiça neste mundo há tempo que deverias ter morrido. Mas a vida segue seu curso RUDY. Sabes uma coisa? Diáriamente, no mundo inteiro, os nascimentos ultrapassam os óbitos numa proporção de cem para um.


CHIRON continuou a falar e a falar sem parar, mas CARACCIOLA entendia-o pouco ou nada em absoluto. Mas pelo menos compreendia que havia alguém no mundo que tratava daquilo que lhe acontecia, e finalmente concordou com a proposta de CHIRON. Se aquilo significava tanto para o seu amigo, ele teria que daraquela volta de honra em redor do circuito de Monre-Carlo.



IN CARS AT SPEED


ROBERT DALEY 1965

Posts Relacionados

2 comentários :

Leandro Campos de Medeiros disse...

Uai, acabou aqui?
Achei que teria mais rs... a história estava interessante...

Jean Corauci disse...

Calma leandro desculpa naum ter continuado ainda a história, e q to meio sem tempo de termina-la mas em breve eu termino