Os 6 Maiores Desafetos

08/06/2011

A coluna vale a pena ver de novo desta quarta volta a mostrar os 6 maiores desafetos da F1.

A ultrapassagem de Fernando Alonso sobre Felipe Massa na entrada dos boxes do GP da China em 2010 gerou grande repercussão. O espanhol aproveitou uma bobeada de Massa e, em manobra arriscada, quase jogou o companheiro na brita para entrar primeiro nos boxes.

Massa não reclamou, admitiu que errou e deu chance para Alonso. “Esperto tem que ficar sempre. Vamos ficar espertos, mas foi um momento onde saí mal da penúltima curva e ele teve a chance de colocar do lado”, explicou Massa, resignado após a prova.

O espanhol também considerou a manobra normal. No entanto, a ultrapassagem mostra que a disputa interna na Ferrari passará a ser mais acirrada no restante da temporada 2010.

A disputa entre Massa e Alonso em Xangai lembrou algumas das grandes rivalidades internas da história da Fórmula 1, e o GP Expert aproveitou para listar alguns duelos históricos entre companheiros de equipe.

Senna x Prost


Apesar de Senna ser campeão em seu 1º ano ao lado de Prost na McLaren em 1988, a rivalidade começou no GP de San Marino de 1989. O brasileiro quebrou o combinado de que um não ultrapassaria o outro após a primeira curva, passou o francês e venceu a prova. Indignado, Prost deu o troco em Suzuka, jogando o carro em cima de Senna (que foi desclassificado por ter recebido ajuda para voltar para a pista) para ficar com o título. Em 90, foi a vez de Senna acertar Prost, já na Ferrari, logo na primeira curva da pista japonesa para ser bicampeão.

Piquet x Mansell


A rivalidade na Williams foi marcada pelas peças que o brasileiro pregava no “Leão”, a quem chamava de “idiota veloz”. Além de esconder do inglês o acerto de seu carro, Piquet desestabilizava o rival fora das pistas. Chegou a dizer que a diferença entre os dois era que Mansell “gostava de mulher feia”, e até escondeu o papel higiênico do quando o inglês passou mal no GP do México de 86. A briga interna custou o campeonato de 1986, que ficou com Prost, mas em 1987 Piquet levou seu terceiro título, com Mansell em segundo.

Villeneuve x Pironi


Gilles Villeneuve liderava em San Marino 1982 quando o companheiro Didier Pironi arriscou jogar os dois para fora da pista, tomou a ponta e venceu. Revoltado com a manobra, o canadense disse que nunca mais falaria com o amigo. Duas semanas depois, Villeneuve morreu em um grave acidente tentando bater o tempo da pole de Pironi na Bélgica. O francês morreria cinco anos depois, em uma corrida de barco, deixando a esposa grávida de gêmeos. A viúva selou a paz na rivalidade, batizando os meninos como Didier e Gilles.

Fangio x Moss


Em 1955, a Mercedes contratou o jovem e talentoso inglês Stirling Moss para ser companheiro do então bicampeão Juan Manuel Fangio. Nascia a primeira grande rivalidade na F-1. Os dois lutaram ponto a ponto pelo título. Fangio foi campeão, Moss foi vice. Nos dois anos seguintes, a história se repetiu: em 56, o argentino corria pela Ferrari, enquanto o inglês estava na Maserati. Em 57, os dois foram companheiros novamente na Maserati. Moss nunca escondeu a admiração que tinha por seu mentor, a quem chamava de “Maestro”.

Hamilton x Alonso


Em 2007, na McLaren, Lewis Hamilton e Fernando Alonso não só brigaram na pista, como também travaram uma guerra de palavras que gerou uma verdadeira batalha entre as imprensas inglesa e espanhola, que tomaram partido na disputa. Apesar de terem o melhor carro do grid, acabaram perdendo o título para Kimi Räikkönen, da Ferrari. Na última corrida da temporada, no Brasil, Alonso chegou a comemorar a derrota de Hamilton, que cometeu erros e acabou perdendo um campeonato praticamente garantido.

Barrichello x Schumacher


Schumacher sempre foi favorecido na Ferrari, mas sua relação com Barrichello estremeceu de vez após o GP da Áustria de 2002. O brasileiro fez a pole e dominou a corrida, mas obedeceu ordens e deixou o alemão passar na última curva. A torcida vaiou a cerimônia de pódio, já que era só a 6ª etapa do Mundial e Schumi tinha mais de 20 pontos de vantagem na ponta da tabela. O alemão chegou a "devolver o favor" nos EUA, mas como já tinha o título garantido, não convenceu. Os dois se tornaram desafetos e até hoje continuam trocando farpas em declarações.

Posts Relacionados

5 comentários :

Anônimo disse...

Discordo parcialmente do Rubens x Schummy. A atitude do Schummy foi - perante as câmeras, claro - muito bacana, mas o Rubens sempre se doeu. As farpas eram sempre atiçadas pelo brasileiro, sendo raramente - senão jamais- rebatidas pelo alemão.

Anônimo disse...

Bom, se for verdade o aludido sobre Senna x Prost e Piquet x Mansell, que babaquice essa dos brasileiros em?

venycius disse...

vale lembrar que após o Prost se aposentar, o próprio Senna o ligou pessoalmente para Alan Prost e PEDIU para que ele retornasse à F1, dizendo que sem ele, o Alan, as corridas pederam um pouco do sentido.

Anônimo disse...

Discordo quando ao Barrichello vs Schumacher, pois o Brasileiro sempre foi falastrão e tinha recalque pois o alemão era o primeiro piloto.

E esse papo ufanista de que o alemão era o favorecido é batido...
Schumacher era o primeiro piloto assim como muitos outros foram e tem algum tipo de vantagem, mas ele era o primeiro piloto por ser muito melhor que Barrichello que em uma corrida depois de ver uma onboard de Schumacher trocando acerto do carro 9 vezes em uma volta falou: Eu nunca vou conseguir fazer isso! Como ele faz?

É algo pequeno pra ser um grande desafeto!

De Angelis e Senna foi muito maior e mais importante como muitos outros...

Abraço.

Anônimo disse...

Também discordo, pois dentro das pistas o rival do Schumacher era o Mika...