Números na Fórmula 1 (Curiosidades)

04/10/2011

Olá galera do GP Expert

Devido ao tempo corrido que eu tenho enfrentado, não andei participando muito do blog como gostaria. Fiz um apanhado sobra a numeração da Fórmula 1 ao longo dos anos (se bem que atualmente você mal vê os números nos carros :P), eu coloquei no meu blog e venho compartilhar com vocês, que acompanham o Gp Expert.

De 1950 até 1973 a numeração variava de corida a corrida, até que a partir de 1974 passou a famosa regra de numeração fixa nos carros. Em 1996 a numeração passou a seguir o resultado do campeonato de construtores, com exceção do campeão que indepentente da equipe que correr, ficará com o carro n°1 (por tabela seu companheiro fica com o carro n°2).

0 – Esse número foi usado apenas em 3 temporadas. Em 1973, Jody Scheckter usou esse número em caráter experimental. Mas em 1993, ele entrou em cena de vez quando a FIA determinou que devido a saída de Nigel Mansell da F-1, ninguém teria direito a usar o número 1. Esse número apareceu em 1993 e 1994 no carro de Damon Hill.

1 – Claro, fica sempre com o campeão do ano anterior. Mas antes de 1973 não era assim. Depois de 1973, somente 2 pilotos usaram esse número sem ter sido campeão: Ronnie Peterson em 1974, ganhou o direito pelo fato da aposentadoria de Jackie Stewart (campeão de 1973) e da Lotus ter sido a campeã de construtores do ano anterior, e John Watson, no Gp da Europa de 1985, em Brands Hatch, substituindo o lesionado Niki Lauda.

2 – É o número do companheiro de equipe do campeão do ano anterior. Esse número deu sorte para Alain Prost, pois 3 de seus 4 títulos foram com esse número. Para os brasileiros, porém, não traz boas lembranças. Esse era o número de Ayrton Senna em 1994 quando ele morreu no acidente de Ímola. Outros brasileiros também correram com o número: Pedro Paulo Diniz em 1997, Rubens Barrichello de 2001 até 2005 e Felipe Massa em 2008.

3 e 4 – Esses dois números detém o recorde de permanência numa mesma equipe. De 1974 até 1995, a Tyrrell sempre usou esses números, só perdendo-os quando a FIA mudou radicalmente a numeração dos carros. Por isso mesmo, só duas vezes o número 3 foi campeão. Já o número 4 foi o vencedor do primeiro grande prêmio da categoria, o da Inglaterra de 1950, vencido por Giuseppe Farina.



5 – É o número que mais fez campeões, junto com o 1. Foram 9 conquistas com esse algarismo. Emerson Fittipaldi (1974) e Nélson Piquet (1981 e 1983) foram campeões com esse número. Número que foi imortalizado pelo Nigel Mansell (Red Five), e que conquistou o título de 1992 com esse número estampado no carro.


6 – Número usado por Nelson Piquet no seu tricampeonato na Williams e também na sua primeira temporada na Brabham, em 1979. Emerson Fittipaldi ganhou o GP da Itália de 1972, tornando-se campeão naquele GP com esse número. Foi o último campeão com a numeração móvel por corrida.

8 – Número da última vitória de Ayrton Senna na Fórmula 1, nas ruas de Adelaide em 1993. O tri de Niki Lauda e o primeiro título de Mika Hakkinen também foram com ele.


10 – Esse número, ao contrário do futebol, não tem tanta tradição na categoria. Desde que a numeração passou a ser fixa, apenas 3 pilotos conseguiram vencer GPs com esse número: Ronnie Peterson (GP Itália 1976), David Coulthard (GPs Austrália e Itália 1997) e Juan Pablo Montoya (GP Inglaterra, GP Itália e GP Brasil 2005). Foi o número de Lella Lombardi quando ela marcou seu único meio ponto na categoria.

12 – Para os brasileiros, esse número traz felicidades. Ayrton Senna correu de 1985 a 1988 (ano de seu primeiro título) com esse número.


13 – A Fórmula 1 baniu esse número, embora outras categorias adotam-o numa boa, por questões supersticiosas. Assim, quando chega no 11 – 12, a próxima equipe usa 14 – 15. Mas ele foi usado por Divina Galica por duas ocasiões em 1976. Ela não conseguiu se classificar em nenhum desses GPs.




14 – Depois da falência da BRM (equipe que usava os números 14 e 15 de 1974 a 1976), esse número passou a abrigar equipes pequenas que só se inscreviam com 1 carro. A equipe Copersúcar usou o 14 em 1978 e 1979. Em 1992, a FIA determinou novamente o empareamento do 14 com o 15. O número 14 foi usado por Rubens Barrichello nas suas primeiras temporadas na Jordan.


15 e 16 – Números utilizados pela Renault durante 1977 a 1985. Nos dois primeiros anos, apenas o 15, por possuir um único carro. Depois que adotou o segundo, ganhou o direito do 16. A Renault pintou os números de vermelho (15) e azul (16) para diferenciar seus carros. Em 1985, a Renault colocou um terceiro carro, de número 14.


19 – Dois campeões já usaram esse número: Ayrton Senna e Michael Schumacher. O primeiro em 1984, quando estreou na Tóleman. O segundo, logo na segunda corrida, quando ingressou na Benetton (por sinal, a antiga Tóleman).


20 – Foi o último número de Emerson Fittipaldi e Nelson Piquet na Fórmula 1. Fittipaldi despediu-se em 1980, no GP dos Estados Unidos e Piquet, no GP da Austrália de 1991. Emerson ainda usaria o 20 na Fórmula Indy, de 1986 a 1989. A Wolf usou esse número em 1977, quando ganhou o GP da Argentina, sua corrida de estréia, com Jody Scheckter.





22 – Número utilizado por Lewis Hamilton na conquista de 2008, sendo o primeiro piloto negro a ser campeão da Fórmula 1. Em 2009, Jenson Button venceu a corrida de estréia da Brawn GP também com esse número.

24 – Foi o número de Emerson Fittipaldi na sua primeira vitória em 1970, no GP dos Estados Unidos, em Watkins Glen, ainda nas numerações móveis. Depois, passou a figurar em equipes pequenas, como Hesketh, Osella e Minardi. Essa última usou o 24, junto com o 23, entre 1986 e 1995.

25 e 26 – Números que fizeram fama na Ligier. Primeiramente, com apenas 1 carro, a equipe corria com o 26. O 25 veio quando adotou o segundo carro. Jacques Laffitte é o piloto que mais usou um mesmo número, no caso o 26, nos anos de 1976 a 1982 e em 1985 e 1986.

27 – Passou a ser usado pela Ferrari a partir de 1981, junto com o número 28. O número 27 virou sinônimo de pilotos corajosos, graças a Gilles Villeneuve. Campeões como Ayrton Senna, Nigel Mansell e Alain Prost também usaram esse número. Alan Jones conseguiu seu único título com o 27. Está ausente da Fórmula 1 desde 1996. O último piloto a usá-lo foi o francês Jean Alesi, de 1992 a 1995.


30 – Primeiro número da equipe Copersúcar, usado nas temporadas de 1975 e 1976. A equipe Sauber surgiu com esse número em 1993, junto com o 29.



32 – Michael Schumacher usou esse número na sua estréia na categoria, no GP da Bélgica de 1991, com a Jordan. O brasileiro Emerson Fittipaldi também chegou a usá-lo, no GP da Bélgica de 1972, quando venceu a corrida. Mas esse número é também trágico: Riccardo Paletti e Roland Ratzemberger usavam o 32 quando sofreram os seus respectivos acidentes fatais: O primeiro no GP Canadá de 1982 e o segundo, nos treinos do GP de Ímola, véspera da morte de Ayrton Senna.



35 – Número usado pelo inglês Perry McCarthy na sua passagem pela Andréa Moda em 1992. Esse carro era talvez o pior da história da Fórmula 1 e era mais lento até que alguns carros da F-3000. O 35 não traz sorte para pilotos e equipes. Exemplos foram a Maki em 1975 e 1976 e a Zakspeed em 1989. Aguri Suzuki perdeu um ano inteiro tentando classificar-se para uma corrida com esse número. O último a correr um GP com ele foi o belga Eric Van de Poele, no GP de Ímola de 1991. Ele perdeu o quinto lugar nas últimas curvas, quando seu carro ficou sem combustível. Apesar disso, esse número revelou alguns pilotos, como Riccardo Patrese (1978) e Derek Warwick (1983). Também foi o primeiro número usado por Ayrton Senna, em 1984, nas Toleman.

43 – Embora a numeração fosse fixa, esse número passou por três equipes diferentes em 1980. Desiré Wilson apareceu no GP da África do Sul com um quarto carro da Williams. No GP da Áustria, Nigel Mansell estreou com ele num terceiro carro da Lótus e no GP do Canadá, o neozelandês Mike Thackwell tornou-se o mais jovem piloto a largar num grande prêmio de Fórmula 1 (na época com apenas 17 anos), guiando o terceiro carro da Tyrrell.

50 – Foi o número da Ferrari pilotada por Giancarlo Baghetti, o único piloto depois de Guiseppe Farina a ganhar a sua corrida de estréia. Na ocasião, foi o GP da França de 1961, no circuito de Reims.




51 – Número utilizado pela equipe japonesa Kojima nos GPs do Japão de 1976 e 1977. O único piloto com 100% de aproveitamento em voltas mais rápidas, o japonês Masahiro Hasemi cravou a melhor volta do GP Japão de 1976, debaixo de chuva, mesmo sendo o último colocado da corrida, a sua única na Fórmula 1.
57 – Número utilizado por Emerson Fittipaldi na Rothmans 50000, uma corrida extra-campeonato realizada em Brands Hatch no ano de 1972. Ele venceu aquela corrida.

66 – Nélson Piquet entrou na Brabham em 1978, no GP do Canadá, com um terceiro carro da equipe, usando esse número.





136 – O desconhecido alemão Rudolph Krause merece destaque na categoria por ter usado esse número em um grande prêmio. Foi a numeração mais alta a disputar um grande prêmio, na Alemanha, em 1951. Naquela corrida, todos os carros correram com numeração do 101 para cima.

208 – É o maior número registrado na categoria. A italiana Lella Lombardi apareceu com esse número pintado no seu Brabham nos treinos do GP da Inglaterra de 1974. Ela não conseguiu a classificação para aquela corrida.



Ps: Atualmente mal dá pra se ver os números dos carros :P

Posts Relacionados

0 comentários :