Relembre trocas de pilotos no decorrer de temporadas da F1

28/10/2011

Quem acompanha a Fórmula 1 está acostumado a ver trocas de pilotos dentro de uma equipe no decorrer de uma temporada. Seja por motivos técnicos ou financeiros, nem sempre a dupla que começa um ano é a mesma que termina. Para relembrar algumas das principais dos últimos 20 anos, o Terra preparou uma pequena lista de substituições - como a da foto, em 1991, quando a Ferrari demitiu Alain Prost e o substituiu por Gianni Morbidelli no GP da Austrália. Confira a relação:

R. Moreno por M. Schumacher (Benetton, 1991): Impressionada com a estreia de Michael Schumacher no GP da Bélgica, 11ª etapa da temporada de 1991, a Benetton tirou o jovem alemão da equipe Jordan. Sobrou para o brasileiro Roberto Pupo Moreno, que deixou de fazer par com Nelson Piquet para assumir o posto no time de Eddie Jordan. No mesmo ano, Moreno ainda correu uma prova pela Minardi.

I. Capelli por N. Larini (Ferrari, 1992): Insatisfeita com o fraco desempenho do italiano Ivan Capelli ao longo das 14 primeiras corridas da temporada, a Ferrari demitiu o piloto. Em seu lugar, assumiu seu compatriota Nicola Larini (foto), então piloto de testes, que pouco pôde fazer nas duas últimas provas do ano.

M. Andretti por M. Hakkinen (McLaren, 1993): Depois de 13 corridas com fraco desempenho do americano Michael Andretti (na foto, em Mônaco), a equipe de Ron Dennis decidiu trocar o companheiro de Ayrton Senna. O escolhido foi o finlandês Mika Hakkinen, que vinha de boa temporada na Lotus em 1992 e que desempenhava a função de piloto de testes da McLaren em 1993.

I. Capelli por quatro pilotos (Jordan, 1993): Em seu primeiro ano na Fórmula 1, Rubens Barrichello teve nada menos que cinco companheiros de equipe. O ano na Jordan começou com Ivan Capelli a seu lado - porém, o italiano resistiu a apenas duas corridas. Depois, veio o belga Thierry Boutsen (foto), que disputou dez corridas. Na sequência, vieram Marco Apicella (uma), Emanuele Naspetti (uma) e Eddie Irvine (duas). Que ano...

N. Mansell por M. Blundell (McLaren, 1995): A McLaren teve um ano movimentado em 1995. Apesar de começar a temporada com Mark Blundell e Mika Hakkinen, o time teve Nigel Mansell (então na Fórmula Indy) correndo na vaga do britânico em duas provas no ano - os patrocinadores, porém, não quiseram bancar o salário do campeão mundial de 1992, e Blundell retornou para o restante da temporada. De quebra, Hakkinen foi substituído por Jan Magnussen no GP do Pacífico por motivo de saúde.

N. Larini por dois pilotos (Sauber, 1997): Depois de ganhar uma vaga na Ferrari durante a temporada de 1992, Nicola Larini (foto) perdeu o assento na Sauber em 1997. Foram cinco provas, até que o italiano cedesse o lugar para Gianni Morbidelli e se aposentasse da F1. Figura recorrente nas trocas de pilotos, Morbidelli foi substituído pelo argentino Norberto Fontana (então reserva) em quatro provas do ano: França, Inglaterra, Alemanha e Europa.

H. H. Frentzen por dois pilotos (Jordan, 2001): Heinz-Harald Frentzen começou 2001 na Jordan, mas decepcionou e foi substituído por Ricardo Zonta no GP da Alemanha. Na prova seguinte, em Hungaroring, o alemão apareceu na Prost (foto), substituindo Jean Alesi - na Jordan, Zonta ainda disputou vaga com Jarno Trulli. No ano seguinte, Frentzen começou na Arrows, mas foi para a Sauber após a falência do time de Tom Walkinshaw. Felipe Massa, então titular, cedeu a vaga em uma prova.

T. Marques por A. Yoong (Minardi, 2001): Tarso Marques começou a temporada de 2001 como primeiro piloto da Minardi - o segundo era ninguém menos que Fernando Alonso. Porém, a entrada de investimento malaio na equipe de Paul Stoddart (mais notado no ano seguinte) tirou a vaga do brasileiro e promoveu Alex Yoong - que disputou três provas (Itália, EUA e Japão), sem qualquer bom resultado.

 
L. Burti por P. de la Rosa (Jaguar, 2001): Luciano Burti era um nome aguardado na Fórmula 1. A estreia como titular aconteceu em 2001, na Jaguar, ao lado do irlandês Eddie Irvine. No entanto, depois de apenas quatro corridas, o brasileiro se mudou para a Prost, cedendo o assento na escuderia verde para o espanhol Pedro de la Rosa. Pior para Gastón Mazzacane, despachado do time de Alain Prost.

R. Schumacher por dois pilotos (Williams, 2004): Juan Pablo Montoya começou o ano na Williams tendo Ralf Schumacher a seu lado. O alemão ficou ali até o GP dos EUA, onde se acidentou feio, tendo que se ausentar por algumas provas. Inicialmente, Marc Gené foi o escolhido para assumir a titularidade, mas o fraco desempenho do espanhol beneficiou Antônio Pizzonia (foto), que herdou o posto por três GPs. Ralf só voltou na prova da China, antepenúltima do ano.

J. Trulli por J. Villeneuve (Renault, 2004): Então piloto de testes da equipe francesa, Jacques Villeneuve virou titular (foto) depois que Jarno Trulli foi para a Toyota ocupar a vaga que era do demitido Cristiano da Matta. Ricardo Zonta ainda correu pelo time japonês, mas acabou preterido. E Villeneuve ficou na Renault, ao lado do segundo piloto Fernando Alonso.

Y. Ide por dois pilotos (Super Aguri, 2006): A Super Aguri precisou de apenas quatro corridas para perceber que o japonês Yuji Ide não tinha condições técnicas de pilotar um carro de Fórmula 1 de forma competitiva. A partir do GP da Europa, o time de Aguri Suzuki colocou o francês Franck Montagny como titular. Bom de treino, ele resistiu por sete corridas, até que Sakon Yamamoto herdasse o posto.

J. Villeneuve por R. Kubica (BMW-Sauber, 2006): Mais uma da movimentada temporada de 2006. Jacques Villeneuve sofreu um acidente no GP da Alemanha e, alegando uma contusão, foi substituído pelo piloto de testes Robert Kubica na prova seguinte, em Hungaroring. Com um consistente sétimo lugar (depois anulado), o polonês foi efetivado pela BMW-Sauber, que imediatamente rompeu com o canadense, que se aposentou da F1.

S. Speed por S. Vettel (Toro Rosso, 2007): Então piloto de testes da BMW-Sauber, Sebastian Vettel substituiu Robert Kubica no GP dos EUA - o polonês havia se machucado ao sofrer um acidente feio na prova anterior, em Montreal. A Toro Rosso gostou do desempenho de Vettel nos EUA (foi oitavo), e decidiu contratá-lo para substituir o americano Scott Speed (foto). Titular no time italiano a partir da 11ª etapa, na Hungria, Vettel foi quarto na China, cinco provas depois. O resto? Bem...

S. Bourdais por J. Alguersuari (Toro Rosso, 2009): Credenciado por quatro títulos na ChampCar entre 2004 e 2007, Sebastien Bourdais chegou à Fórmula 1 para tentar a sorte na Toro Rosso em 2008. No ano seguinte, apesar de pontuar em duas corridas, foi demitido ao abandonar o GP da Alemanha, nona corrida do calendário. Em seu lugar, entrou o espanhol Jaime Alguersuari, primeiro piloto nascido na década de 90 a correr na Fórmula 1. Resultados até agora, poucos.

N. Piquet Jr. por R. Grosjean (Renault, 2009): Nelsinho Piquet teve uma ano difícil em 2009. Investigado pela batida no GP de Cingapura do ano anterior, o brasileiro disputou dez provas ao lado de Fernando Alonso sem um ponto sequer (foram 19 em 2008). Para tentar limpar a imagem, o time dispensou Nelsinho e promoveu o francês Romain Grosjean, então piloto de testes.

fonte: terra.com.br

Posts Relacionados

0 comentários :