Bertrand Gachot: "Serei sempre conhecido como o piloto que foi preso e deu a oportunidade ao Schumacher" - Em entrevista à revista F1 Racing, Bertrand Gachot, mundialmente conhecido por ter sido o piloto que "abriu as portas" à entrada de Michael Schumacher na Fórmula 1, revelou que esse episódio marcou (nem podia ser doutra forma) fortemente a sua carreira: "Serei sempre conhecido pelo piloto que foi preso e deu a Schumacher a sua oportunidade na F1".

Na Fórmula 1, o piloto belga (nasceu luxemburguês, mas naturalizou-se) não teve uma carreira fácil. As coisas correram-lhe bem nas categorias de promoção, "entrou" pela Fórmula Ford 1600, prosseguiu com a Fórmula Ford 2000, F3 Inglesa, F3000, onde teve sempre boas prestações, até que surgiu um milionário belga, Jean-Pierre Van Rossen, com "aspirações" à F1. Foi assim que "nasceu" a Onyx F1, em 1989, uma equipa que até teve alguns bons resultados, através de Stefan Johansson, mas Bertrand Gachot, nem por isso, chegando mesmo a falhar várias qualificações para os Grandes Prémios. Nem chegou ao fim do ano depois de ter dito mal da equipa. Só que o seu prestígio não ficou demasiado abalado e no ano seguinte surgiu a Coloni, no que se revelaria um novo fracasso, não conseguindo qualificar-se para um único Grande Prémio de Fórmula 1 em 1990.

Só que depois, surgiu Eddie Jordan, que quis subir à Fórmula 1, com a sua bem sucedida equipa de F3000 e Gachot viu aí uma boa oportunidade. Aproveitou-a em pista, pontuando três vezes, mas já tinha estragado tudo fora de pista, uns meses antes, na Grã-Bretanha, onde se viu envolvido numa discussão com um taxista, num caso típico de "road rage". Entre "brake-tests" e buzinadelas, o belga acabou mesmo por bater no táxi. Depois disso, é fácil perceber o que sucedeu: "Ele saiu do táxi e disse que me ia matar e foi aí que levou com o gás pimenta nos olhos. De repente, um gajo que tinha acabado de dizer que me ia matar, estava a chorar pela mãe. Só que dois minutos antes tinha-me ameaçado e insultado pelo que não tive pena nenhuma. O pior foi depois. Chamei a polícia porque havia 50 taxistas a querem fazer-me a folha, e o resto da história já todos sabem..."

Gachot não sabia que o gás pimenta era proibido na Grã-Bretanha e foi preso durante dois meses, a meio da época da Fórmula 1 de 1991. Disse-lhe o juiz: "Você é demasiado perigoso para andar nas ruas de Londres..." Fizeram dele um exemplo, pois todos os advogados que consultara eram da mesma opinião. Muito provavelmente seria multado, mas nada de cadeia. Enganaram-se. Foi a sorte de Michael Schumacher, que entrou na F1 em 1991 com a Jordan, o que resultou na história de sucesso que todos conhecem. A prestação de Schumacher no fim de semana do GP da Bélgica foi tão boa, que depois de terem sido vistas T-shirts a dizer "Why Gachot?", no domingo da corrida já havia outras com inscrições: "Gachot, Why not?" O resto é história...

A verdade é que muito provavelmente o alemão acabaria sempre por chegar à F1, mas será que tudo seria igual? Ninguém poderá responder a isso. Quantos bons pilotos para aí andam, que teriam muito sucesso na F1, e nunca chegaram a ter uma oportunidade...

fonte: autosport.pt

Posts Relacionados

0 comentários :