Novatos da F1: veja quem tem chances após testes em Abu Dhabi

16/01/2012

Entre os pilotos que testaram em Abu Dhabi, em novembro, somente alguns terão chances de chegar à Fórmula 1 no futuro próximo; conheça quem é nome forte, quem tem chances e quem não deve se iludir com a categoria  Foto: Getty Images 



Entre os pilotos que testaram em Abu Dhabi, em novembro, somente alguns terão chances de chegar à Fórmula 1 no futuro próximo; conheça quem é nome forte, quem tem chances e quem não deve se iludir com a categoria.





Valtteri Bottas (FIN)
Foi piloto de testes da Williams durante todo o ano, e não decepcionou em Abu Dhabi: com dois dias de carro (15 e 16), conseguiu o quarto lugar no segundo, marcando 1min42s367 e superando Lotus Renault, Mercedes, Force India e Sauber. Campeão da GP3 em 2011, poderia ser um dos candidatos à vaga de Rubens Barrichello no time de Frank Williams - em meio à indefinição, o papel de reserva já está garantido. Aos 22 anos, deve passar por um ano de GP2.

Mirko Bortolotti (ITA)
Ex-piloto da Academia de Pilotos da Ferrari, o italiano Mirko Bortolotti fez testes promissores para a equipe italiana - esteve até mesmo cotado para substituir o machucado Felipe Massa em 2009. A carreira, porém, não teve a ascensão esperada em dois anos. Aos 21, foi o piloto de testes da Williams no terceiro dia em Abu Dhabi. E com um sétimo tempo, atrás de Sauber e Force India, parece longe de emplacar. O futuro parece restrito aos carros de turismo.

Stefano Coletti (MON)
A F1 teve apenas três pilotos de Mônaco em sua história - o mais famoso deles foi Louis Chiron (1950 a 1958), enquanto o último deles foi Olivier Beretta (1994). Coletti seria uma aquisição bem-vinda, e pode se firmar. Em 2011, venceu duas provas na GP2 e somou 22 pontos. Nos testes de Abu Dhabi, mostrou que precisa de um pouco mais de quilometragem em um carro de F1: foi 11º no terceiro dia e repetiu a posição no terceiro.

Kevin Ceccon (ITA)
Teve um 2011 de destaque: conquistou o título na AutoGP (que já teve Felipe Massa e Romain Grosjean entre os campeões) e disputou sua primeira temporada na GP2. Deve passar por temporadas de amadurecimento na categoria de acesso à F1. Mesmo assim, não fez feio nos dois dias de testes em Abu Dhabi: apesar de ter andado atrás da Team Lotus de Luiz Razia no segundo dia (1min44s808, contra 1min43s944), foi oitavo no último dia, superando a Lotus Renault de Jan Cha.

Fabio Leimer (SUI)
O desempenho na GP2 não empolga - em dois anos na categoria, conseguiu duas vitórias e não ficou entre os dez melhores em nenhum ano. Testou apenas no primeiro dia, com um bom quarto lugar (1min42s331 como melhor marca), mas parece não ter empolgado. De quebra, fica difícil pensar em vaga no time suíço a curto prazo diante dos muitos patrocínios levados ao time pelos mexicanos Sérgio Perez e Esteban Gutierrez.

Esteban Gutierrez (MEX)
Piloto de testes da Sauber em 2011, Gutiérrez repetiu o sexto lugar nos dois dias em que trabalhou com o carro em Abu Dhabi, 16 e 17 de novembro. Com uma boa marca de 1min42s049 no dia 17, o mexicano, 20 anos, tem bons desempenhos nas categorias de acesso, com títulos na Fórmula BMW (2008) e na GP3 (2010). Caso confirme a ascensão em 2012, pode até brigar por uma vaga na Sauber em 2013 - especialmente caso Sérgio Perez substitua Felipe Massa na Ferrari.

Jean-Eric Vergne (FRA)
Único piloto a andar abaixo da casa de 1min39s (fez 1min38s917 no terceiro dia), Vergne é uma das apostas da Red Bull para o futuro - porém, enfrentou poucos rivais de semelhante competência nas categorias de acesso. Com bom desempenho na World Series by Renault em 2010 e o título da F3 britânica do mesmo ano, deve ganhar o apoio da Red Bull para o crescimento psicológico dos próximos anos. Não por acaso, foi oficializado na Toro Rosso para 2012.

Sam Bird (GBR)
Surgiu um candidato a uma vaga na F1 a curto prazo. Em 2011, disputando sua segunda temporada na GP2 (a primeira na equipe iSport), conseguiu três pódios e um sexto lugar. Com três dias em Abu Dhabi a bordo da Mercedes, foi nono no primeiro dia (1min43s548), sétimo no segundo (1min43s734) e segundo no terceiro (1min40s897), à frente de Jules Bianchi. Deve ser o terceiro piloto em 2012, mas não sera surpresa se brigar para ser titular em 2013.

Gary Paffett (GBR)
Dificilmente terá chances. Piloto de testes da equipe há algumas temporadas, o britânico exerce a função de homem de confiança do time para os testes. No segundo dos dois dias de testes, em 16 de novembro, foi terceiro: 1min41s756.

Oliver Turvey (GBR)
É uma caso semelhante ao de Gary Paffett. Aos 24 anos, já parece passar da idade para uma eventual estreia. De quebra, a temporada de 2011 foi fraca, com apenas uma etapa na GP2 (Mônaco, pela Carlin, sem pontos), e duas na GP2 Ásia (Emirados Árabes e Itália, pela ORT, também sem pontuar). Foram dois dias de testes em Abu Dhabi com a McLaren, com um oitavo lugar no dia 15 e um quarto lugar no dia 17. Ou seja: vai ser difícil conseguir um lugar na F1.

Charles Pic (FRA)
Participou dos três dias de testes com a Virgin/Marussia, e esteve entre os últimos em todos. Foi 13º de 14 no primeiro dia (1min46s930), 12º de 13 no segundo dia (1min46s698) e último dos 14 no terceiro dia (1min46s348). Apesar dos péssimos tempos e ter brigado para superar a fraca HRT, surpreendeu e conseguiu uma vaga de titular em 2012 na equipe, ocupando a vaga de Jérôme d'Ambrosio. Ao que tudo indica, o patrocínio é bem forte.

Robert Wickens (CAN)
Foi um dos poucos pilotos a testar por duas equipes diferentes: pilotou pela Lotus no dia 15 (terceiro, com 1min42s217) e com a Marussia no dia 17 (13ª, com 1min45s934). Apesar de ser o atual campeão da World Series by Renault com a Carlin, os tempos em Abu Dhabi não são convincentes. Para brigar por uma vaga na Lotus em 2012 (provavelmente a principal porta aberta), deveria ter feito mais. O canadense poderia surgir na Marussia se levasse patrocínio.

Kevin Korjus (EST)
Aos poucos, a Estônia produz pilotos de nível razoavelmente competitivo. Kevin Korjus, 18 anos, segue pelo mesmo caminho. Com uma carreira sólida nas divisões da Fórmula Renault, ganhou a chance de testar pela Lotus Renault no segundo dia, e não fez feio: foi oitavo, com 1min43s776, andando à frente de Toro Rosso, Team Lotus, HRT e Virgin. É jovem, e deve passar por categorias como Fórmula 3 e GP2 para poder pensar em brigar por vaga.

Jan Charouz (CHE)
Foi piloto de testes da Lotus Renault em 2011, mas o caminho para a F1 não parece dos mais pavimentados. Campeão da Le Mans Series em 2009, também testou por duas equipes. No dia 16, foi 11º de 13 pilotos, dando 56 voltas com a HRT (1min46s644). No dia seguinte, com a Lotus Renault, deu 82 voltas e foi apenas o 10º (1min44s470). Ao que tudo indica, tem poucas chances de disputar a categoria máxima do automobilismo mundial.

Max Chilton (GBR)
Dois dias de testes com a Force India e bons resultados: sexto (de 14) no dia 15, com 1min43s016, e quinto (também de 14) no dia 17, com 1min41s575. Mesmo assim, os fracos desempenhos na GP2 (sete pontos em dois anos) não devem abrir portas a curto prazo para este britânico de 20 anos. Mais uma ou duas temporadas na GP2 podem ajudar.

Jules Bianchi (FRA)
É sabidamente o principal candidato a substituir Felipe Massa na Ferrari em 2013. Em Abu Dhabi, os tempos foram melhores que os da McLaren do experiente Gary Paffett nos três dias, o que deve pesar muito positivamente a favor do francês. No segundo dia de testes, 16 de novembro, realizou sua melhor marca: 1min40s279. Não seria uma zebra se tivesse chance em alguma equipe mediana com motor Ferrari ainda durante a próxima temporada.

Rodolfo González (VEN)
No primeiro dia de testes, o venezuelano conseguiu apenas o décimo lugar entre os 14 pilotos na pista, superando a Toro Rosso do monegasco Stefano Coletti. Aos 25 anos, e com poucos resultados na GP2 (foram apenas quatro pontos em duas temporadas completas), González parece mais próximo de brigar por uma vaga na Fórmula Indy do que de chegar à F1.

Luiz Razia (BRA)
A opinião é de Mike Gascoyne, diretor técnico da Team Lotus: "eu gostaria de ver Luiz em outro ano de GP2 conosco, porque penso que ele precisa ser um vencedor de forma regular na GP2 e procurar ganhar o campeonato. Se ele fizer isso, quem sabe?". Piloto da Team AirAsia na GP2, Razia foi nono no segundo dia de testes de Abu Dhabi (1min43s944), e parece não ter empolgado tanto. Deve ir para seu quarto ano na categoria de acesso.

Alexander Rossi (EUA)
O desempenho nas categorias de acesso é positivo, com título na Fórmula BMW e um terceiro lugar na temporada 2011 da Fórmula Renault 3.5. Com o carro da Team Lotus, esteve na pista de Abu Dhabi apenas no dia 17, e não fez feio: marcou 1min44283 na melhor de suas 74 voltas, conseguindo o nono lugar dentre os 14 pilotos na pista. Aos 20 anos, depende apenas de um bom patrocínio para entrar na F1. Se não conseguir, o que é provável, é nome forte para a GP2.

fonte: terra.com.br

Posts Relacionados

0 comentários :