SABIA QUE... John Watson jurou que cortava a barba quando vencesse uma corrida -
Promessa é divída e apesar do ter feito a contra gosto, John Watson foi obrigado a cumprir o trato com Roger Penske, na Áustria, em 1976.

Tomar o lugar de um colega de profissão morto não é fácil, ainda mais quando o novo chefe tinha uma relação de amizade com o piloto que se vai substituir. Depois de uma temporada apagada na Surtees, John Watson foi chamado pela Penske no GP do Canadá, última prova da temporada de 1975, para substituir Mark Donohue, que morreu durante o GP de Itália.

No início do ano seguinte, o piloto da Irlanda do Norte apostou com o seu chefe Roger Penske que cortaria a sua barba se a equipe americana ganhasse uma corrida. A princípio, Watson achou que não deveria ter grandes hipóteses de sacrificar a sua barba, pois o novo PC3 raramente pontuava, com exceção um quinto lugar na África do Sul.

Tudo mudou com a estreia do PC4, na França, quando John Watson recuperou de sétimo para terceiro graças a vários abandonos dos adversários. Na semana seguinte, em Silverstone, Watson foi quarto (transformado em terceiro com a desclassificação de James Hunt, três meses depois). Na Áustria, faltava exorcizar o "demónio" da perda de Donohue, mas no domingo de manhã parecia que ia correr tudo bem. A chuva do dia anterior havia dado lugar ao sol e Watson saiu da primeira linha. Depois de trocar de posições nas primeiras voltas com Ronnie Peterson e Jody Scheckter, ninguém mais viu o nativo do Ulster até ao final da corrida. Roger Penske não perdeu tempo a cobrar a aposta, e desde então John Watson nunca mais usou barba.

Posts Relacionados

0 comentários :