GP da África do Sul de 1972

05/03/2012

Após duas corridas na América do Sul, uma valendo (Argentina) e outra para homologação (Brasil), a F1 mandava sua enorme bagagem para Kyalami e seu espetacular circuito de alta velocidade na segregacionista África do Sul. Ninguém imaginaria que Emerson Fittipaldi, apenas em sua segunda temporada completa na F1, pudesse fazer frente a Jackie Stewart, vencedor na Argentina, e Denny Hulme, mas o brasileiro da Lotus mostrava que sua pilotagem cerebral combinava com o belo Lotus 72D e fazia boas corridas naquela temporada que se iniciava. Emerson abandonou o GP da Argentina quando estava em segundo lugar, próximo a Stewart e em Interlagos, circuito que conhecia muito bem, Fittipaldi liderou a maior parte da prova quando a suspensão traseira de sua Lotus quebrou no momento em que o carro se aproximava da linha de largada/chegada e completaria mais uma volta. Bem na frente da torcida que lotou Interlagos naquela tarde de muito calor em São Paulo, Emerson Fittipaldi fez toda a reta dos boxes de marcha ré, freando próximo de bater no muro de proteção. Foi um susto enorme que proporcionou a Carlos Reutemann vencer em Interlagos e começar uma boa relação com o circuito paulistano.

Em Kyalami, Emerson teria outro susto enorme durante os treinos quando uma roda de sua Lotus saiu voando do seu carro repentinamente, mas o brasileiro escapou sem maiores apuros. Aquilo mostrava o quanto a F1 ainda era extremamente perigosa naquele início de anos 70. Apesar do susto, Fittipaldi largaria na primeira fila em terceiro, atrás de Stewart e Regazzoni. Não devemos nos esquecer, que naquela época o grid da F1 obedecia uma ordem diferente (3-2-3). Mais atrás, José Carlos Pace fazia sua estréia na F1 pela pequena equipe de Frank Williams com um March alugado e largaria em 24º. Um problema na bomba de gasolina fez Pace largar com duas voltas de desvantagem e mesmo com um carro claramente ruim, o brasileiro completou a prova e deixando Tio Frank bastante satisfeito.

Grid:
1)      Stewart (Tyrrell) – 1:17.0
2)      Regazzoni (Ferrari) – 1:17.3
3)      Fittipaldi (Lotus) – 1:17.4
4)      Hailwood (Surtees) – 1:17.4
5)      Hulme (McLaren) – 1:17.4
6)      Andretti (Ferrari) – 1:17.5
7)      Ickx (Ferrari) – 1:17.7
8)      Cevert (Tyrrell) – 1:17.8
9)      Peterson (March) – 1:17.8
10)  Schenken (Surtess) – 1:17.8

O dia 4 de março de 1972 estava quente e ensolarado na região de Johanesburgo, o que poderia trazer muitas dificuldades para os pilotos na corrida a seguir, por causa do desgaste de pneus e do próprio carro. Todos os pilotos alinharam seus carros para o grid em Kyalami e como sensores eletrônicos para detectar queima de largada era mera ficção científica, Denny Hulme deu uma baita largada, deixando Stewart e Emerson para trás. Enquanto os carros se aproximavam a toda velocidade da curva 1, uma pessoa não identificada cruzava a larga pista de Kyalami, por um motivo que ninguém que sabe, mas que, com certeza, não valia a pena se arriscar um atropelamento a mais de 200 km/h. Eram, definitivamente, outros tempos!

Hulme ainda liderava logo à frente de Stewart e Emerson, que já se distanciava do quarto colocado, o americano Peter Revson. Quando os três carros cruzaram em frente aos boxes pela primeira vez, Stewart pegou o vácuo da McLaren de Hulme e efetuou a ultrapassagem no final da grande reta. Denny Hulme havia acertado sua McLaren para ir melhorando durante a corrida, com seu carro saindo muito de frente com tanque cheio. Isso significava Stewart disparando na frente, com o neozelandês prendendo toda uma fila de carros, com Emerson Fittipaldi tendo que se preocupar agora com as investidas de Mike Hailwood, que fazia uma boa estréia na Surtees. Apenas na volta 17 Emerson conseguiu deixar Hulme para trás no final da reta dos boxes e partiu em perseguição a Stewart, que vinha perdendo rendimento. Na volta seguinte, Hailwood ultrapassou Hulme e partiu para cima de Emerson. O inglês conhecido como Mike ‘the bike’ fazia uma excelente corrida e cinco voltas depois ultrapassou a Lotus, que já se aproximava de Stewart. Os três carros andavam próximos quando Hailwood teve a suspensão traseira quebrada bem na metade das 80 voltas da corrida, fazendo com que Emerson tivesse que frear para não bater no Surtees e dar um respiro a Stewart.


Porém, Emerson passou a conviver a perda de equilíbrio de sua Lotus e seu carro começava a tender a sair de traseira. Entretanto, os problemas de Stewart eram piores. A embreagem do Tyrrell do escocês piorava desde o início da prova, quando Stewart forçou muito na largada e na volta 44, Stewart não conseguiu engatar marcha nenhuma no meio da reta e teve que abandonar a corrida, dando a Fittipaldi a liderança momentânea da corrida. Isso porque Hulme estava em segundo lugar, mas tirando em média 1s por volta. A tática do Campeão Mundial de 1967 estava dando certo e com seu carro se comportando cada vez melhor no decorrer da prova, ao contrário do que vinha acontecendo com Emerson, Hulme assumiu a liderança na volta 57 para não mais perde-la. Emerson permaneceu em segundo, mas ainda teve tempo de sofrer uma pressão da segunda McLaren de Revson, que teve problemas na primeira volta e conseguiu uma ótima corrida de recuperação. A prova mostrou uma McLaren forte, mas Emerson Fittipaldi iniciava bem sua caminhada rumo ao título.

Chegada:
1)      Hulme
2)      Fittipaldi
3)      Revson
4)      Andretti
5)      Peterson
6)      Hill 

Posts Relacionados

0 comentários :