Donington-1993: a sublime 1ª volta de Barrichello

10/12/2012



Barrichello à frente de Schumacher: de 12º para 4º na primeira volta do GP da Europa de 1993
Barrichello lidera Schumacher: de 12º para 4º na 1ª volta do GP da Europa de  1993

Parafraseando o jingle do célebre filme “Gilda”, nunca houve uma primeira volta na Fórmula 1 como a feita por Rubens Barrichello no GP da Europa de 1993. Disputado em 11 de abril daquele ano, em Donington Park, na Inglaterra, a corrida tratou de eternizar os movimentos de Ayrton Senna pelos primeiros 4.023 metros da prova, em que o brasileiro da McLaren-Ford saltou do quinto para o primeiro lugar num desafiante piso molhado. Um feito condizente com a carreira do legendário piloto, é fato. Todavia, o compatriota do tricampeão fez mais. Em apenas uma volta, o piloto da Jordan-Hart pulou de 12º para uma espetacular quarta posição.

É bem verdade que a volta de Senna foi exaltada porque o tricampeão era um dos protagonistas da categoria à época. Logo, todas as câmeras da transmissão de TV estavam voltadas para Ayrton. Rubens, por sua vez, era um iniciante – estava largando para sua terceira corrida na Fórmula 1. O piloto da Jordan só foi notado quando já alcançava o quarto lugar. Mas bem rapidamente – os holofotes estavam na McLaren de número 8, que rumava para a ponta da prova.

Quando foi visto na volta 1, Barrichello superava Michael Schumacher, da Benetton-Ford. Coincidentemente, o alemão foi um dos pilotos ultrapassados por Senna nos primeiros instantes da disputa de Donington (os outros foram Karl Wendlinger, da Sauber, e Damon Hill e Alain Prost, ambos da Williams-Renault).

Na pista molhada, Rubens se destacou à frente de Schumacher e Alesi
Na pista molhada, Rubens se destacou à frente de Alesi e Schumacher


Antes de ultrapassar Schumacher, porém, Rubens passou por uma verdadeira epopeia na volta 1 de Donington. Em 12º no grid (mas 11º após JJ Lehto, da Sauber, largar dos boxes), o brasileiro começou a brilhar ao passar Johnny Herbert, da Lotus-Ford, e Riccardo Patrese, da Benetton, antes da primeira curva. Na nona posição, o próximo passo de Barrichello foi se livrar de Gerhard Berger, da Ferrari. No mesmo momento em que Senna ignorava Wendlinger e assumia o terceiro lugar, o piloto da Jordan aparecia em oitavo. Outro ferrarista seria a vítima seguinte de Rubens: Jean Alesi. O francês foi ultrapassado pelo brasileiro sem maiores problemas.

Enquanto Barrichello era sétimo, Senna passava por Hill e se via em segundo. Mas Ayrton não sofreu o susto que Rubens teve na metade da primeira volta. Logo à sua frente, Wendlinger e Michael Andretti, da McLaren, se engalfinharam e foram parar na brita. O piloto da Jordan saiu ileso do incidente. A quinta posição caiu em seu colo. Imediatamente na sequência, Schumacher cometeu um erro e permitiu a aproximação do brasileiro de 20 anos. O bote foi imediato: Barrichello estava em quarto. Senna, por sua vez, ainda era segundo – deixou para ultrapassar Prost na freada do hairpin.

No hairpin, Barrichello dá uma volta sobre seu companheiro Thierry Boutsen
No hairpin, Barrichello dá uma volta sobre seu companheiro Thierry Boutsen


No início da volta 2, Senna liderava, seguido por Prost, Hill e Barrichello. Numa apresentação impressionante na chuva, Rubens pressionava os pilotos da Williams. A partir daí, o resto foi história. Ayrton fez um voo solo, dando um espetáculo à parte. O piloto da Jordan, após andar em segundo, garantia uma incrível terceira posição à frente de Prost. Mas a cinco voltas do final, a bomba de combustível do carro do brasileiro entrou em colapso, obrigando Barrichello a abandonar – e perder um pódio certo.

Rubens ficou no quase pela primeira vez na mais longa carreira já vista na história da Fórmula 1. Sua quebra beneficiou Herbert, que subiu para o quarto lugar (repetindo o feito da etapa anterior, em Interlagos), e Fabrizio Barbazza, da Minardi, que conquistou seu primeiro ponto na carreira com a sexta posição. Ainda assim, o desempenho de Barrichello foi célebre. Tanto que a sua primeira volta de Donington foi uma das mais marcantes da categoria. As imagens pouco contam, mas quem vivenciou, jamais esquece.


Matéria cedida gentilmente por Douglas Williams proprietário do Contos da F1

Posts Relacionados

0 comentários :