Dia de trabalho árduo para Pace em Jarama-1972

28/01/2013


Há 40 anos, Pace conquistava seu primeiro ponto na carreiraHá 40 anos, Pace conquistava seu primeiro ponto na carreira

Segunda-feira, 1º de maio de 1972. O Autódromo de Jarama era palco da terceira etapa válida pela temporada daquele ano na Fórmula 1. Não apenas isso. Era a primeira etapa europeia do campeonato. Os resultados obtidos no circuito espanhol seriam a tônica do certame. Os candidatos ao título despontariam no GP da Espanha; os promissores pilotos seriam melhor observados a partir dali. Se Emerson Fittipaldi começou ali, na pista da região de Madri, a caminhada rumo ao título mundial, um outro brasileiro mostrou seu potencial ao conquistar seu primeiro ponto na carreira: José Carlos Pace foi o sexto em sua segunda corrida na categoria.

Não foi uma prova fácil para Moco. Para começar, a March, dirigida à época por Frank Williams, enfrentou problemas alfandegários. Os carros de Pace e o de Wilson Fittipaldi Júnior – o terceiro brasileiro inscrito para o GP da Espanha pela Brabham - ficaram retidos e não entraram no país. Apenas no sábado os compatriotas começaram a trabalhar nos seus bólidos, justamente no primeiro dia de treinos. Na tomada decisiva para a definição do grid da corrida de Jarama, Pace obteve o 16º tempo. Wilsinho largaria em 14º em seu primeiro GP da carreira, enquanto Emerson sairia em terceiro.

Pace à frente do companheiro Pescarolo: disputa acirrada na MarchPace à frente do companheiro Pescarolo: disputa acirrada na March

Com uma pista úmida, mas sem chuva forte, 25 pilotos foram para largada do GP da Espanha. Pace pagou pela inexperiência - despencou da 16ª para a 21ª posição na volta 1. Foi o único mau momento do piloto da March em Jarama. A partir dali, o brasileiro dominou o traçado espanhol como poucos. O traçado molhado ajudou Moco a dar um show à parte na prova. Na volta 16, já estava em 16º lugar, atrás de seu companheiro de March, o francês Henri Pescarolo. A disputa interna foi áspera, mas Pace levou a melhor somente na volta 28. Com a ultrapassagem sobre Pescarolo, o brasileiro assumiu o 12º lugar.

Quem também fazia prova consistente era Wilsinho. Na volta 28, ele ocupava o oitavo lugar. Porém, o brasileiro da Brabham começou a enfrentar problemas de estabilidade em seu carro, e seu rendimento ficou comprometido. Em compensação, Pace seguia superando um a um. Na volta 36, passou pelo australiano Tim Schenken (Surtees) para alcançar o 11º lugar. Foi quando iniciou a perseguição a Wilsinho. O duelo brasileiro foi intenso. Com um equipamento em piores condições, o piloto da Brabham segurou o amigo da March o quanto pôde, mas Moco se impôs: na volta 56, Pace era o oitavo.

Momento decisivo: na volta 56, Pace superou Wilsinho e assumiu o oitavo lugarMomento decisivo: na volta 56, Pace superou Wilsinho e assumiu o oitavo lugar

Na 57ª volta, François Cevert (Tyrrell) abandonou a prova, alçando o piloto da March à sétima posição. Longe de Peter Revson (McLaren) e de Andrea de Adamich (Surtees), restou a Pace torcer para uma quebra para pontuar em Jarama. E ela veio justamente com o companheiro de Cevert. Na volta 70, Jackie Stewart abandonou. Moco era o sexto, seguido por Wilsinho. A partir daí, o piloto da March adminstrou a vantagem que tinha sobre o compatriota da Brabham para obter o primeiro ponto de sua carreira. Enquanto Pace fazia história, Emerson Fittipaldi (Lotus) emplacava sua segunda vitória na carreira (a primeira em 1972), seguido por Jacky Ickx e Clay Regazzoni, ambos da Ferrari.

Sem dúvida, há 40 anos, Pace, Wilsinho e Emerson tiveram um 1º de Maio de muito trabalho em Jarama.


Matéria cedida gentilmente por Douglas Williams proprietário do Contos da F1

Posts Relacionados

0 comentários :