Acorda Globo

24/09/2013

"Em 1995, após o falecimento do Ayrton Senna, comentei com o organizador do GP Brasil de F1, que o maior interessado em termos de pilotos brasileiros na F1, deveria ser a Rede Globo, pois com eles ganhando corridas e disputando Campeonatos, a audiência logicamente sempre seria maior, e consequentemente os valores das cotas também.

Sugeri que a Globo criasse um programa de incentivo aos pilotos em começo de carreira na Europa, onde 2 ou 3 seria "apadrinhados" pela rede Globo, onde cada um teria um "x" de minutos por ano, na grade da toda poderosa, para gerar retorno aos seus patrocinadores, e assim facilitar a captação dos patrocínios, ou até que as cotas de patrocínio das transmissões, tivessem um pequeno percentual que poderia ser revertido a estes pilotos.

A maior dificuldade que todos pilotos sempre enfrentam, é a falta de patrocínio, custos elevadíssimos e principalmente o pouco retorno que as categorias de base geram aqui no Brasil, isso sem levarmos em conta que quando a toda poderosa vai entrevistar algum piloto / atleta, faz questão de não filmar os patrocinadores.

Agora que corremos o sério risco de não termos mais nenhum brasileiro na F1, depois de mais de 40 anos, não duvido nada que as provas de F1 não sejam mais transmitidas ao vivo pela Globo."

Ingo Hoffmann
fonte: https://www.facebook.com/copersucar.fittipaldi

Posts Relacionados

2 comentários :

Unknown disse...

VOCÊS SEMPRE CITAM O NOME DAQUELE VIGARISTA DO AYRTON SENNA, QUEAGRADEÇO SEMPRE A DEUS POR ESSA ALEGRIA QUE SENNA DEU AO MORRER NA PISTA - ELE FOI TARDE DEMAIS. A GLOBO NÃO TÊM A OBRIGAÇÃO NENHUMA DE FACILITAR AS COISAS, ISSO QUEM TEM QUE FAZER É A CONFEDERAÇÃO DE AUTOBILISMO BRASILEIRO, A GLOBO VAI SER VÍTIMA TAMBÉM POR NÃO HAVER MAIS BRASILEIROS NA F1.

Anônimo disse...

vai se fuder o arrombado petista