Relembrando Gilles

30/09/2013

Gilles Vileneuve
Joseph Gilles Henri Villeneuve, mais conhecido como Gilles Villeneuve (Berthierville, 18 de janeiro de 1950 — Leuven, 9 de maio de 1982) é considerado um dos melhores pilotos de toda a história da Fórmula 1, apesar de ter obtido apenas seis vitórias em 67 corridas disputadas na sua passagem pela categoria, entre 1977 à 1982.


Carreira

Villeneuve nasceu em Quebec. Era filho de um afinador de pianos e estreou no automobilismo em 1975, após uma breve e vitoriosa carreira como piloto de snowmobile em campeonatos de seu país. Foi campeão canadense e norte-americano de Fórmula Atlantic, em 1976, e repetiu o título canadense em 1977. Neste ano, em uma corrida no circuito de Trois Riviere que contou com a presença de pilotos da Fórmula 1, derrotou e impressionou positivamente o então campeão mundial, o inglês James Hunt, o que lhe rendeu um convite para disputar o Grande Prêmio da Inglaterra, em Silverstone, com um terceiro carro da equipe McLaren.

Nesta prova, com um velho McLaren M23 — mesmo modelo com que o brasileiro Emerson Fittipaldi vencera o campeonato de 1974 —, Gilles largou na 9ª posição, entre os pilotos oficiais da equipe, Hunt e o alemão Jochen Mass, porém problemas mecânicos o atrasaram e o canadense terminou a corrida em 11º lugar. A McLaren não convidou mais Gilles para as provas seguintes, mas a sua já crescente reputação e seu estilo arrojado lhe renderam um convite para ser piloto da equipe Ferrari, ainda em 1977, para ser companheiro do argentino Carlos Reutemann. Gilles é muito lembrado pelo seu lendário duelo no Grande Prêmio da França de 1979 contra o piloto francês René Arnoux da Renault. O arrojo de ambos os pilotos nesse confronto foi tão grande que René e Gilles chegaram a ficar lado a lado em uma mesma curva a mais de 150 Km/h, Após sucessivas ultrapassagens de ambos os pilotos, Gilles Villeneuve venceria o confronto e receberia a bandeirada em segundo, seguido do próprio Arnoux em terceiro. Após a corrida o francês diria uma frase marcante: "Ele me venceu, mas isso não me preocupa, pois sei que fui vencido pelo melhor piloto do mundo".

A passagem pela Ferrari



Foi ao volante dos carros vermelhos da equipe italiana que Gilles proporcionou aos espectadores da Fórmula 1 momentos de bravura e perícia que lhe fizeram ser comparado ao lendário Tazio Nuvolari e uma série de acidentes impressionantes --- que lhe renderam o apelido de "piloto voador". No mais grave deles, no Grande Prêmio do Japão de 1977, Villeneuve bateu com seu Ferrari 312T2 nº11 no Tyrrell P34 nº3 do sueco Ronnie Peterson, e o carro do piloto canadense foi lançado na direção de dois espectadores que assistiam a prova em local proibido e que morreram.


Em 1979 a Ferrari substituiu Reutemann pelo sul-africano Jody Scheckter. A nova dupla garantiu o primeiro e o segundo lugares, com Scheckter campeão por antecipação, além do Campeonato Mundial de Construtores. A partir do ano seguinte 1980, por promessa do próprio comendador Enzo Ferrari, a equipe passou a direcionar esforços em prol de Villeneuve, mas não foi capaz de se manter na frente dos outros times.

O desentendimento com Pironi e o boato sobre a vinda para a Williams



Depois de duas vitórias e uma boa temporada em 1981, quando a Ferrari entrou para o grupo das equipes com motores Turbo, Villeneuve se tornou o maior favorito para a temporada de 1982. No entanto, a Ferrari não deixou clara essa posição para o outro piloto da equipe, o francês Didier Pironi. No Grande Prêmio de San Marino, a corrida contou com 7 equipes: Ferrari, Renault, Alfa Romeo, Tyrrell, Toleman, Osella e ATS, enquanto que as demais boicotaram por divergências políticas. Pironi ultrapassou Villeneuve nas voltas finais, descumprindo o acordo entre os dois e a equipe, e venceu a prova. O fato abriu uma crise interna, já visível pelo piloto canadense no pódio após a corrida. Acabou sendo o último grande prêmio disputado por Villeneuve. Logo surgiram boatos de que ele, magoado com a Ferrari, pilotaria para a equipe Williams na temporada de 1983.

Morte trágica



Mas já na prova seguinte, o Grande Prêmio da Bélgica, (ainda no autódromo de Zolder), a rivalidade trouxe uma fatalidade. Na disputa para superar o melhor tempo feito por Pironi no treino de classificação, Villeneuve estava em sua última volta rápida quando encontrou, em uma curva de alta velocidade, o March de Jochen Mass retornando para os boxes em velocidade menor. Um erro de cálculo fez com que as rodas dos carros se tocassem e a Ferrari foi lançada ao ar, seguindo-se uma seqüência de capotagens que partiu o cockpit ao meio e arremessou o corpo de Villeneuve para o alto, na direção esquerda, só parando no lado extremo da pista, ao chocar-se violentamente contra o alambrado de proteção. O piloto já não estava respirando quando a equipe de socorro chegou ao local, mas só foi oficialmente declarado morto mais tarde, em um hospital local.


Apesar de a tragédia no automobilismo não ser algo tão inesperado na época — ainda menos diante do estilo de pilotagem característico de Villeneuve —, o acidente causou, entre os pilotos e principalmente junto ao público, uma comoção que só foi igualada doze anos depois, com a morte de Ayrton Senna. Mesmo aqueles que tiveram as mais árduas disputas com o canadense na pista, como o francês René Arnoux, admiravam seu caráter simpático e amigável e sua lealdade como competidor, mesmo com tanto arrojo.

Gilles Villeneuve deixou um casal de filhos, entre eles Jacques Villeneuve, que foi campeão da temporada de 1997. O irmão de Gilles, também chamado Jacques Villeneuve, obteve moderado sucesso nas categorias de acesso por onde Gilles passou e chegou a disputar duas corridas de Fórmula 1 e campeonatos de Fórmula Indy na década de 1980, porém ele não teve muito êxito.


Vitórias na Fórmula 1

  • GP do Canadá, 8 de outubro de 1978
  • GP da África do Sul, 3 de março de 1979
  • GP dos Estados Unidos (Oeste)- Long Beach, 8 de abril de 1979
  • GP dos Estados Unidos (Leste)- Watkins Glen, 7 de outubro de 1979
  • GP de Mônaco, 31 de maio de 1981
  • GP da Espanha. 21 de junho de 1981
Gilles Vileneuve com a Ferrari em Mônaco
Veja abaixo um vídeo de Gilles Vileneuve no GP do Canadá em 1981 onde Luciano do Vale e Reginaldo Leme não se conformam no bom sentido com as façanhas do canadense.



fonte: http://www.f1gp4douglets.blogspot.com.br

Posts Relacionados

1 comentários :

Anônimo disse...

simplesmente apaixonante. Sem palavras