Veja os empregos dos pilotos que se aposentaram na F1

06/09/2013


Mark Webber já anunciou que está fora da Fórmula 1 a partir do ano que vem, mas não vai abandonar o automobilismo. O australiano de 36 anos será reforço do Mundial de Endurance. Mas, se quisesse largar de vez o automobilismo, Webber poderia seguir um dos exemplos dos seus ancestrais. O site F1 Fanatic listou as dez profissões mais curiosas dos ex-pilotos da Fórmula 1. Confira a seguir:

Vendedor de carros
Juan Manuel Fangio. O argentino pentacampeão mundial fez história com a Mercedes nas pistas, e continuou sua relação com a montadora alemã depois de largar o automobilismo. Abriu uma revendedora e depois acabou se tornando presidente da Mercedes-Benz na Argentina.

Vendedor de aviões
Thierry Boutsen. O belga acumulou três vitórias na carreira e disputou corridas até 1993. Depois, seus contatos no paddock o ajudaram a impulsionar as vendas da Boutsen Aviation, empresa sediada em Mônaco que faturou mais de US$ 1 bilhão comercializando aviões e helicópteros.

Vendedor de macarrão
Paolo Barilla. O italiano entrou na Fórmula 1 graças ao dinheiro da famosa fábrica de macarrão que leva o seu sobrenome. Depois de se classificar apenas para nove das 15 corridas disputadas com a Minardi, ele voltou para os negócios da família e se tornou vice-presidente da Barilla.

Sócio de empresa de GPS
Nelson Piquet. Além da Piquet Sports, firma que abriu para continuar investindo no automobilismo, o tricampeão é sócio da Autotrac, empresa de rastreamento de frotas por satélite. Sua carreira de empresário começou apenas três anos depois da aposentadoria, em 1994.

Missionário
Alex Ribeiro. O mineiro disputou dez corridas entre 1976 e 1977, e chegou a estampar a frase “Jesus Salva” no seu carro. Depois de se aposentar, ele se juntou à organização “Atletas de Cristo” e continuou promovendo a religiosidade no esporte.

Piloto do medical car
Alex Ribeiro (de novo). Depois de encerrar a carreira na Fórmula 1 sem somar pontos, ele voltou à categoria para pilotar o carro médico, mas não se deu lá tão bem. No GP de Mônaco em 2000, ele bateu o medical car na curva Tabac, e o médico Sid Watkins, que estava de passageiro, saiu com três costelas quebradas.

Político
Carlos Reutemann. O argentino construiu uma carreira consistente na Fórmula 1, com 12 vitórias. Perdeu o título de 1981 para Nelson Piquet na última corrida. Mesmo assim, ganhou popularidade em seu país e se elegeu governador da província de Santa Fe por dois mandatoe entre 1991 e 1999.

Fazendeiro
Jody Scheckter. O campeão de 1979 se aposentou no ano seguinte ao título, quando tinha apenas 30 anos. Depois de investir em um sistema de treinamento de armas, ele se voltou para algo mais pacífico ao gastar milhões em propriedades no sul da Inglaterra. Agora, ele comercializa produtos orgânicos produzidos em suas terras.

Dono de fabricante de energético
Bertrand Gachot. O francês disputou cinco temporadas sem destaque na Fórmula 1, e deixou a categoria em 1995. Depois disso, investiu na marca de bebidas energéticas Hype, que chegou a patrocinar a Williams nos anos 90. Mal sabia ele o sucesso que os fabricantes de energéticos ainda teriam na Fórmula 1.

Chefão da Fórmula 1
Bernie Ecclestone. Ele nunca chegou a largar na Fórmula 1, mas foi piloto da equipe Connaught em 1958 e tentou, sem sucesso, se classificar para o GP de Mônaco daquele ano. Seu verdadeiro talento como administrador começou a ser revelado em 1974, quando fundou a associação de construtores e em seguida assumiu o controle dos direitos de televisão da Fórmula 1.

Posts Relacionados

1 comentários :

Anônimo disse...

Esqueceram de falar de Niegel Mansell, que virou agente de trânsito na Inglaterra!