Resumão dos testes em Jerez

01/02/2014

A temporada 2014 da Fórmula 1 marca uma das mais drásticas mudanças no regulamento técnico da categoria em toda a sua história, com adoção de motores turbo V6 de 1.6 litro no lugar dos V8 aspirados de 2.4 litros e alterações significativas na aerodinâmica dos carros. Justamente por isso, a primeira semana de testes coletivos dos modelos que serão usados neste ano foi marcada por uma série de imprevistos mecânicos e eletrônicos. Mas não foi só isso: os quatro dias de treinos no circuito espanhol de Jerez de la Frontera mostraram aos fãs uma Fórmula 1 diferente, bem mudada em relação a 2013. Tanto no aspecto estético quanto na relação de forças. Veja os destaques dos quatro dias de testes, que terminaram de forma esperançosa para a torcida brasileira, no Pacotão da Pré-Temporada Fórmula 1.


Por causa das profundas mudanças no regulamento, ainda é cedo para fazer qualquer previsão para a temporada 2014. Mas pode-se dizer que Felipe Massa começou bem a jornada em sua nova casa, a Williams. Após anotar o segundo melhor tempo na quinta-feira, em sua primeira vez com o carro britânico, o ex-piloto da Ferrarifoi o mais veloz do quarto e último dia de testes de pré-temporada.

Com uma volta em 1m28s229, Massa ficou um segundo à frente do espanhol Fernando Alonso, seu ex-companheiro na Ferrari, e completou 86 voltas sem que a Williams FW36 de número 19 apresentasse problemas. Um bom indício de confiabilidade, um item que deu muita dor de cabeça às equipes nesses primeiros testes, e que foi comemorado pelo brasileiro após o bom teste. Nem a Ferrari, que andou com Kimi Raikkonen e Fernando Alonso, escapou. O espanhol foi um dos muitos que interromperam compulsoriamente o trabalho após uma pane.

Quem roubou a cena nesta primeira semana de testes não foi um campeão mundial, tampouco um piloto com pelo menos uma temporada no currículo. O mais rápido da quinta-feira foi o surpreendente e promissor Kevin Magnussen, que fará sua estreia na Fórmula 1 em 2014, como companheiro do experiente Jenson Button. Naquele dia, o jovem dinamarquês de 21 anos anotou o melhor tempo da semana, 1m23s276, justamente em seu primeiro contato com o promissor carro da McLaren.

Filho de Jan Magnussen, ex-companheiro de Rubens Barrichello na década de 1990, Kevin é o atual campeão da World Series, uma das divisões de acesso da F-1, e substitui Sérgio Pérez na McLaren. Pelo cartão de visitas do dinamarquês, tudo leva a crer que o time não sentirá saudade do mexicano, que foi para a Force India.

De motor Renault, RBR sofre e é a equipe que menos anda na semana
Desde o ano passado, dirigentes e especialistas já adiantavam que a confiabilidade seria o item que mais tiraria o sono de pilotos e equipes neste início de 2014. Tanto que os times de motor Renault já ligaram o sinal de alerta após uma série de decepções, mesmo com o esforço da montadora francesa em tentar resolver as falhas em seus equipamentos durante a noite após o segundo dia de atividades. Quem mais sentiu os problemas foi a tetracampeã mundial RBR, que viu o domínio avassalador dos últimos anos se transformar em decepção. Na quarta-feira, Sebastian Vettel teve tantos problemas que até voltou para casa mais cedo.
Já nos dois últimos dias, foi a vez do novo parceiro do alemão, Daniel Ricciardo, se frustrar. Após aguardar três horas para a RBR conseguir preparar seu carro para ir à pista na quinta, o australiano só completou uma volta antes de ver o motor de seu carro começar a fumar. Já na sexta, sofrendo com falhas no motor e também com problemas na refrigeração no RB10, o time austríaco sequer participou dos treinos da tarde, preferindo ir embora para a fábrica após Ricciardo ter completado apenas sete voltas na parte da manhã. Com isso, a RBR acabou a semana em último na folha de tempos, posição incômoda para quem ganhou tudo que era possível nos últimos quatro anos.

Hamilton, Sutil e Magnussen levam sustos
As esperadas quebras dos novos modelos lançados pelas equipes não provocaram apenas longos períodos de trabalho nos boxes ou interrupções devido aos carros que paravam na pista de Jerez. Algumas das bandeiras vermelhas também foram devido a acidentes provocados por falhas mecânicas. Logo no primeiro dia de trabalho com a nova Mercedes, Lewis Hamilton liderava a sessão com o modelo W05 quando a asa dianteira se soltou e o britânico bateu de frente em uma barreira de pneus. Confira o lance, captado por acaso por uma TV espanhola.

Outras ocorrências que marçaram os treinos foram a forte batida de Adrian Sutil na quinta-feira com a Sauber na curva 7, que provocou a interrupção do treino, assim como a escapada de Kevin Magnussen na curva 10 na sexta-feira. O estreante dinamarquês foi quem mais andou no dia, com 110 voltas. Porém nos minutos finais da atividade, perdeu o controle do McLaren MP4-29 e bateu no muro, o que acabou encerrando a sessão prematuramente. Uma hora antes, o novato já tinha provocado outra interrupção de treino, ao rodar e ficar parado na chicane.

Um passo à frente, Mercedes faz até simulação de corrida
Depois da batida de Hamilton na terça e dos naturais problemas de adaptação às novas regras, quem mais impressionou ao final da semana de testes foi a equipe Mercedes, que mostrou estar um passo à frente das rivais. Com Nico Rosberg ao volante do W05, a escuderia alemã foi a primeira a ser capaz de fazer uma simulação de corrida. Enquanto muitas equipes ainda batem cabeça para entender os novos carros, o piloto alemão completou 91 voltas em sua “Flecha de Prata” na sexta-feira. De quebra, ele ainda liderou boa parte da sessão da manhã, com pista molhada.

Marussia atrasa e Lotus sequer participa
Enquanto as demais equipes já deixavam os boxes para iniciar o terceiro dia de testes, a quinta-feira teve também a tardia apresentação do novo carro da Marussia para 2014, o MR03. O time chegou atrasado nos testes de pré-temporada após identificar, no início desta semana, problemas no desenvolvimento de seu carro, ainda na fábrica, na Inglaterra. Depois de uma "força-tarefa", a equipe conseguiu enviar o bólido para a Espanha a tempo de participar dos dois últimos dias de atividade. O britânico Max Chilton foi o responsável por dar as primeiras voltas no novíssimo modelo. Ele continua como companheiro do francês Jules Bianchi, seu parceiro em 2013.

Problemas à parte, ao menos a Marussia ainda foi capaz de participar de dois dias de treinos. Algo que a Lotus sequer cogitou. Passando por muitas dificuldades financeiras e perdendo vários de seus profissionais da área técnica – incluindo o diretor de corridas, Eric Boullier, que foi para a McLaren –, a escuderia anunciou que só levará o novo carro ao Bahrein, onde o venezuelano Pastor Maldonado e o francês Romain Grosjean enfim poderão treinar com o modelo.

Button supera dor da perda do pai com homenagem
No dia 12 de janeiro, Jenson Button, piloto da McLaren, perdeu o pai. John faleceu em casa, no sul da França, após ter sofrido um infarto. O patriarca era muito querido no ambiente da Fórmula 1, e dificilmente perdia uma corrida do campeão de 2009. Para prestar mais uma homenagem ao pai, que era carinhosamente chamado de “Papai Smurf” (ícone do desenho Smurfs), Jenson estampou a figura do personagem em seu capacete, com os dizeres “RIP Papa” (sigla de "Rest in Peace", que significa "descanse em paz" em português). A imagem foi postada na rede social da escuderia britânica na quarta-feira, durante o segundo dia de treinos da pré-temporada, na qual o britânico foi o mais rápido no circuito de Jerez.

Visual dos carros vira piada
Uma alteração drástica no regulamento para a temporada 2014 provocou a maior revolução visual da Fórmula 1 nos últimos tempos. Os chassis de 525 mm de altura agora possuem um bico dianteiro com apenas 185 mm (contra os 550 mm de 2013). A mudança gerou uma avalanche de piadas e brincadeiras na internet, que foi invadida com montagens sobre a aparência um tanto quanto excêntrica dos novos bólidos.




fonte: globo.com

Posts Relacionados

0 comentários :