EUA-1988: Detroit vê primeiros pontos de Minardi e Rial

24/03/2014


O dia 19 de junho de 1988 na Fórmula 1 pode ser considerado um divisor de águas na vida de duas escuderias. Rial e Minardi estrearam na zona de pontuação da categoria máxima do automobilismo no GP dos Estados Unidos. É bem verdade que os holofotes daquela prova estavam voltados para o brasileiro Ayrton Senna (McLaren), vencedor da sexta etapa do Mundial. Mas coube aos italianos Andrea de Cesaris (Rial) e Pierluigi Martini (Minardi) a primazia de levar suas equipes à gloria. De Cesaris foi o quarto lugar, enquanto Martini assegurou a sexta posição. Duas histórias opostas que encontraram no circuito de rua de Detroit um ponto em comum: a chegada pela primeira vez ao top 6.

História 1: A Minardi ingressou na Fórmula 1 em 1985, tendo justamente Martini com o time. Pierluigi se arriscou a substituir Senna na Toleman no GP da Itália de 1984, mas não conseguiu se classificar. Giancarlo Minardi, então, decidiu apostar na promessa italiana para o ano seguinte. O problema é que o M185 era um carro muito frágil e colecionou diversos abandonos. Foi um ano para esquecer. O melhor resultado um oitavo lugar no GP da Austrália. Insatisfeito, Martini deixou a Minardi e passou dois anos na Fórmula 3000. Um passo para trás, com o intuito de retornar ao circo.

De Cesaris desfila pelas ruas de Detroit: um incrível quarto lugar com o Rial
De Cesaris desfila pelas ruas de Detroit: um incrível quarto lugar com o Rial

História 2: Em 1987, o ex-dono da antiga equipe ATS, o alemão Gunther Schmid, se animou com o decisão de dar fim à era turbo para 1989 e decidiu montar um novo time para estrear já na temporada 1988: a Rial. Para o novo projeto, contratou o projetista Gustav Brunner, na época na Ferrari. Esteticamente, o modelo era chamado de “Ferrari Azul”. Para o cockpit, Schmid contratou De Cesaris. O carro era veloz, mas foi projetado com um tanque de combustível com capacidade reduzida. Por conta disso, apesar de Andrea flertar com os pontos em várias corridas no início de 1988, abandonava por pane seca.

A História Comum: Eis que Detroit chegou. Por um lado, a Rial contava com um carro veloz para De Cesaris. Do outro, a Minardi enfrentava uma crise. Giancarlo Minardi demitiu o espanhol Adrian Campos por baixo rendimento. Para correr ao lado do também espanhol Luis Perez-Sala, o chefe do time chamou Martini mais uma vez. O bom filho estava de volta. Após mais de dois anos, Pierluigi se viu no circo. E causou frisson logo nos treinos. Impetuoso, o italiano classificou a Minardi na 16ª posição, assombrosos 1s5 à frente de Perez-Sala, apenas o 25º. Do lado da “Ferrari Azul”, Andrea foi bem, alinhando seu Rial em 12º.

Graças a Martini, a Minardi conquistou seu primeiro top 6; time levou 52 GPs para isso
Graças a Martini, a Minardi conquistou seu primeiro top 6; time levou 52 GPs para isso

Na largada do GP dos Estados Unidos, De Cesaris conseguiu se manter na mesma posição do grid. Martini, por sua vez, completou a primeira volta em 18º. Logo no início, o destaque foi o piloto da Rial: na volta 8, Andrea superou o francês Phillipe Streiff (AGS). Na passagem seguinte, ultrapassou Nelson Piquet (Lotus). De Cesaris não parou por aí: na volta 13, ganhou a posição de Derek Warwick (Arrows). Com as quebras de Alessandro Nannini (Benetton) na volta 14 e de Nigel Mansell na volta 18, o italiano da Rial se via no surpreendente quinto lugar.

Enquanto De Cesaris surgia no top 5 na volta 19, Martini se encontrava num incrível sétimo posto. O italiano da Minardi também contou com as quebras para ascender em Detroit. Todavia, travou um duelo acirrado com René Arnoux (Ligier), ganhando a posição do francês na volta 14. Os dois italianos contaram com o abandono do compatriota Riccardo Patrese (Williams), na volta 26, para ganharem mais uma posição: Andrea era o quarto; Pierluigi, o sexto.

Nos Estados Unidos, De Cesaris conquistou os únicos pontos da Rial em 1988
Nos Estados Unidos, De Cesaris conquistou os únicos pontos da Rial em 1988

Na volta 35, Mauricio Gugelmin (March) deixou o GP. Assim, Martini assumiu o quinto lugar. Porém, De Cesaris estava distante dele. A partir daí, os italianos trataram de conservar seus equipamentos. Pierluigi foi mais cauteloso, e para assegurar a Minardi na zona de pontos, não resistiu ao ataque de Jonathan Palmer (Tyrrell). O inglês tirou o quinto lugar de Martini na volta 51, a 11 voltas do fim. Isso não importava: o que mais valia era o ponto, conquistado após 52 corridas. Festa para o time de Giancarlo Minardi. E comemoração também na escuderia de Gunther Schmid: três pontos após a sexta prova no circo.


Duas histórias, mas com algo em comum: Rial e Minardi marcaram seus primeiros pontos na Fórmula 1 em Detroit-1988. Também foram os únicos pontos conquistados pelas duas escuderias naquela temporada. Por isso, o GP dos Estados Unidos teve um sabor todo especial para os italianos De Cesaris e Martini.


Matéria cedida gentilmente por Douglas Williams proprietário do Contos da F1

Posts Relacionados

0 comentários :