Ribeirão Preto tem vitórias de Cacá Bueno e Tuka Rocha

06/04/2015


Duas baterias bastante disputadas com dois vencedores diferentes - e emoções idem: Cacá Bueno encerrou jejum de 21 meses sem vitória e na segunda bateria Tuka Rocha estreou no lugar mais alto do pódio

O Circuito Schin Stock Car estava com saudades de Ribeirão Preto. E a cidade do Interior Paulista tratou de providenciar as condições para que as duas baterias disputadas neste domingo de Páscoa (5) fossem verdadeiros shows de perícia e disputas. A forte chuva que caiu na pista no início da programação, ainda pela manhã, trouxe o tempero - ou o molho - que faltava para aumentar a emoção das disputas com pista molhada em um circuito de rua.

E no clima do retorno a Ribeirão para matar a saudade, dois pilotos aproveitaram para se reconciliarem com o lugar mais alto do pódio. Cacá Bueno, da Red Bull Racing, venceu a primeira bateria - sua última vitória havia sido em Brasília, ainda no mês de julho de 2013 -, e Tuka Rocha, em seu quinto ano da Stock Car, venceu pela primeira vez na categoria.

A primeira bateria teve os carros largando com o safety car na pista ainda bastante molhada e a bandeira verde veio só na abertura do terceiro giro. Pole position, Max Wilson manteve a ponta e trouxe Cacá Bueno abrindo do pelotão que ia do terceiro colocado em diante - e que foi protagonista de maior parte da movimentação da prova.

Max chegou a alimentar uma vantagem de mais de cinco segundos e meio sobre Cacá, mas a vantagem passou a cair vertiginosamente do meio da corrida em diante. "Eu optei junto com o Andreas (Mattheis, chefe de equipe) por um acerto de pista seca, acreditando que o traçado secaria. Passei um sufoco danado para acompanhar o Max e ao mesmo tempo eu tinha que cuidar dos pneus traseiros. Ele chegou a abrir mais de cinco segundos e quando a gente chegou na metade da corrida ele ainda estava bem longe - e quando consegui dar três ou quatro voltas sem forçar o ritmo e vi que ele não abriu nem um centímetro eu percebi que era a hora de forçar para alcança-lo", lembrou Bueno.

"Quando começou a secar o meu acerto funcionou melhor que o dele. Acabei fazendo uma manobra arriscada na curva 2, ele me deu um belo ‘xis’, e depois ele errou uma freada e aí pude passar e controlar a distância achando que a corrida estava terminada - quando não estava. O Marquinhos (Gomes) apareceu do nada nas últimas voltas virando muito rápido e eu e optei por fugir dele sem usar nenhum push e por isso sobraram 14 para a segunda bateria", contou.

No final da primeira (e mais longa) bateria, Cacá cruzou a linha de chegada com Marcos Gomes em segundo e Júlio Campos em terceiro. Ricardo Maurício havia terminado em quarto, com seu companheiro de equipe Max Wilson em sexto. A dupla da Eurofarma-RC, no entanto, foi excluída do resultado final por trocar os pneus após a bandeirada da bateria para a segunda, o que não é permitido pelo regulamento a não ser que haja autorização da direção de prova.

A segunda bateria teve também a largada com o safety car na pista, mas a condição do traçado já era bem diferente - seca em quase sua totalidade. Muitos pilotos correram para os boxes para trocar os pneus de chuva pelos slicks, e outros como Vitor Genz, que largou da pole position por ter sido o décimo colocado na primeira prova, optou por permanecer com os pneus para piso molhado.

No grupo dos dez primeiros da prova, apenas dois calçavam pneus para pista seca: Sérgio Jimenez e Tuka Rocha - ambos optaram pela troca na última volta da primeira bateria. E foram justamente os dois que iniciaram a escalada para o topo. Quando Rocha ultrapassou Jimenez e depois passou o então líder Genz, sua vitória começou a se desenhar. "Mesmo assim não estava fácil passar os outros. Consegui passar o Jimenez, que é um excelente piloto, e comecei a abrir vantagem. Não tirei o pé; eu tinha um bom ritmo e foi assim até o final", disse Rocha, da União Química/Bassani Racing.

Várias ultrapassagens, alguns toques e duas entradas do safety car fizeram da bateria de 22 voltas um caldeirão de emoções. Em cada bloco de pilotos havia várias disputas por posição, e o público presente manteve os olhos colados na pista o tempo todo.

No final, Tuka cruzou a linha de chegada para lavar a alma e garantir sua primeira vitória no Circuito Schin Stock Car - e a segunda da União Química Racing, time chefiado por Eduardo Bassani, na categoria. Sérgio Jimenez fechou em segundo lugar com Átila Abreu desempenhando excelente recuperação para terminar em terceiro. Denis Navarro, Luciano Burti, Rubens Barrichello, Vitor Genz, Julio Campos, Antonio Pizzonia e Marcos Gomes fecharam os dez primeiros.

Tuka segurou o choro mas não escondeu a emoção. Uma vitória de extremo significado para o paulista. "Chegar aqui na Stock Car este ano foi difícil. Fechei uma semana antes da primeira corrida. Acho que só a minha família sabe o sofrimento que foi. Eu tinha quase certeza de que ficaria sem correr, e acabei pegando a última vaga disponível na categoria e conseguimos de última hora um patrocínio por só seis corridas. Agora tenho certeza de que vamos ficar até o final do ano", disse.

"Foi uma vitória para lavar a alma e mostrar que eu tenho capacidade, que eu tenho talento, que não é à toa que estou aqui e que vou lutar bastante para estar em uma posição que me permita ficar por muito tempo na categoria. Espero que esta vitória tenha mudado muita coisa. Vamos continuar trabalhando. As coisas são difíceis, mas só tenho a agradecer e hoje o dia é de festa", desabafou.

Campeonato - A tabela da competição após três corridas realizadas já mostra grande equilíbrio de forças. Com três vencedores diferentes, a regularidade já mostrou que vai fazer a diferença, e prova disso é que Marcos Gomes sai de Ribeirão Preto na liderança da disputa com 36 pontos, só três à frente de Cacá Bueno. Júlio Campos aparece em terceiro com 29, seguido de Sérgio Jimenez e Allam Khodair com 26 cada, Thiago Camilo com 25, Tuka Rocha e Rubens Barrichello com 24, Vitor Genz com 21 e Galid Osman com 19 fechando os dez maiores pontuadores.

A próxima rodada dupla do Circuito Schin Stock Car acontece em 26 de abril no Velopark, em Nova Santa Rita (RS), em final de semana que reunirá também a Copa Petrobras de Marcas, a Fórmula 3 Brasil e o Brasileiro de Turismo realizando suas etapas de número dois na temporada.

Resultado da 1ª bateria:
1. 0 - Cacá Bueno - Red Bull Racing. - 38 voltas em 49min43s932
2. 80 - Marcos Gomes - Voxx Racing Team - a 1s477
3. 4 - Julio Campos - Prati-donaduzzi - a 9s335
4. 21 - Thiago Camilo - Ipiranga-RCM - a 13s527
5. 28 - Galid Osman - Ipiranga-RCM - a 28s413
6. 111 - Rubens Barrichello - Full Time Sports - a 29s786
7. 18 - Allam Khodair - Full Time Sports - a 30s697
8. 46 - Vitor Genz - Boettger Competições - a 31s153
9. 70 - Diego Nunes - Vogel Motorsport - a 36s898
10. 1 - Antonio Pizzonia - Prati-donaduzzi - a 41s866
11. 73 - Sérgio Jimenez - C2 Team - a 1 volta
12. 25 - Tuka Rocha - União Química Racing - a 1 volta
13. 8 - Rafael Suzuki - RZ Motorsport - a 2 voltas
14. 110 - Felipe Lapenna - Schin Racing Team - a 2 voltas
15. 2 - Rafa Matos - Schin Racing Team - a 2 voltas
16. 51 - Átila Abreu - AMG Motorsport - a 2 voltas
17. 3 - Bia Figueiredo - União Química Racing - a 3 voltas
18. 14 - Luciano Burti - RZ Motorsport - a 4 voltas
19. 26 - Raphael Abbate - Hot Car Competições - a 5 voltas
20. 72 - Fábio Fogaça - Hot Car Competições - a 6 voltas
21. 5 - Denis Navarro - Vogel Motorsport - a 7 voltas
22. 12 - Lucas Foresti - AMG Motorsport - a 14 voltas
23. 11 - Cesar Ramos - Cavaleiro Racing Sports - a 14 voltas
24. 29 - Daniel Serra - Red Bull Racing - a 19 voltas
25. 10 - Ricardo Zonta - Shell Racing - a 25 voltas
26. 74 - Popó Bueno. Cavaleiro Racing Sports - a 35 voltas
27. 90 - Ricardo Maurício - Eurofarma RC - a 10.751*
28. 65 - Max Wilson - Eurofarma RC - a 17.353*
29. 83 - Gabriel Casagrande - C2 Team - a 31.574**
30. 77 - Valdeno Brito - Shell Racing - a 36s314
31. 88 - Felipe Fraga - Voxx Racing Team - a 1 volta
Melhor volta: Rafa Matos com 1min12s136
*Exclusão por troca de pneu após a bandeirada
**Exclusão por não cumprir drive-through

Resultado da 2ª bateria:
1. 25 - Tuka Rocha - União Química Racing - 22 voltas em 30min22s214
2. 73 - Sérgio Jimenez - C2 Team - a 1s223
3. 51 - Átila Abreu - AMG Motorsport - a 2s042
4. 5 - Denis Navarro - Vogel Motorsport - a 8s906
5. 14 - Luciano Burti - RZ Motorsport - a 11s310
6. 111 - Rubens Barrichello - Full Time Sports - a 15s696
7. 46 - Vitor Genz - Boettger Competições - a 15s787
8. 4 - Julio Campos - Prati-donaduzzi - a 16s535
9. 1 - Antonio Pizzonia - Prati-donaduzzi - a 17s039
10. 80 - Marcos Gomes - Voxx Racing Team - a 17s330
11. 83 - Gabriel Casagrande - C2 Team - a 17s743
12. 8 - Rafael Suzuki - RZ Motorsport - a 17s862
13. 18 - Allam Khodair - Full Time Sports - a 20s263
14. 28 - Galid Osman - Ipiranga-RCM - a 42s389
15. 70 - Diego Nunes - Vogel Motorsport - a 1 volta
16. 21 - Thiago camilo - Ipiranga-RCM - a 1 volta
17. 26 - Raphael Abbate - Hot Car Competições - a 2 voltas
18. 11 - Cesar Ramos - Cavaleiro Racing Sports - a 10 voltas
19. 0 - Cacá Bueno - Red Bull Racing - a 11 voltas
20. 10 - Ricardo Zonta - Shell Racing - a 15 voltas
21. 72 - Fábio Fogaça - Hot Car Competições - a 15 voltas
22. 65 - Max Wilson - Eurofarma RC - a 15 voltas
23. 90 - Ricardo Maurício - Eurofarma RC - a 15 voltas
24. 74 - Popó Bueno - Cavaleiro Racing Sports - a 15 voltas
25. 77 - Valdeno Brito - Shell Racing - a 15 voltas
26. 12 - Lucas Foresti - AMG Motorsport - a 15 voltas
27. 110 - Felipe Lapenna - Schin Racing Team - a 20 voltas
28. 2 - Rafa Matos - Schin Racing Team - a 20 voltas
Não largaram
29. 88 - Felipe Fraga - Voxx Racing Team - sem tempo
30. 3 - Bia Figueiredo - União Química Racing - sem tempo
31. 29 - Daniel Serra - Red Bull Racing - sem tempo
Volta mais rápida: Rubens Barrichello com 1min10s487

CLASSIFICAÇÃO DO CAMPEONATO:
1. Marcos Gomes - 36 pontos
2. Cacá Bueno - 33
3. Julio Campos - 29
4. Sergio Jimenez - 26
5. Allam Khodair - 26
6. Thiago Camilo - 25
7. Tuka Rocha - 24
8. Rubens Barrichello - 24
9. Vitor Genz - 21
10. Galid Osman - 19
11. Átila Abreu - 17
12. Antonio Pizzonia - 17
13. Luciano Burti - 13
14. Ricardo Mauricio - 12
15. Diego Nunes - 12
16. Denis Navarro - 11
17. Rafael Suzuki - 11
18. Max Wilson - 7
19. Felipe Lapenna - 7
20. Felipe Fraga - 6
21. Raphael Matos - 6
22. Valdeno Brito - 5
23. Gabriel Casagrande - 4
24. Bia Figueiredo - 4
25. Raphael Abbate - 2
26. Daniel Serra - 1
27. Fabio Fogaça - 1
28. Lucas Foresti - 0
29. Cesar Ramos - 0
30. Alceu Feldmann - 0
31. Ricardo Zonta - 0
32. Popó Bueno - 0
33. Felipe Maluhy - 0

O Circuito Schin Stock Car tem organização e realização da Vicar Promoções Desportivas, com supervisão da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA). O patrocínio máster é da Schin. Patrocínio Petrobras e Pirelli. Copatrocínio Cielo. Apoio Pioneer. As montadoras são Chevrolet e Peugeot.

É proibida a venda e o consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 anos nas dependências do autódromo. O evento é destinado a maiores de cinco anos, acompanhados de responsáveis legais (parentes de primeiro grau). Na entrada, será obrigatória a apresentação de documento original (RG, CNH ou certidão de nascimento), independentemente da idade.

Posts Relacionados

0 comentários :